Skip to main content

 
SÃO PAULO – As vendas domésticas de máquinas agrícolas somaram 2.346 unidades em fevereiro, 50,4% mais que em janeiro mas 36,5% menos de fevereiro do ano passado, segundo dados divulgados há pouco pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). 
 
As exportações ficaram em 505 unidades, 54,4% mais que em janeiro mas 39,1% menos de fevereiro do ano passado. Nesse contexto, a produção nacional atingiu 2.926 unidades, 80,4% mais que em janeiro. Em relação a fevereiro do ano passado, houve queda de 39,8%. Nos primeiro bimestre deste ano, as vendas domésticas chegaram a 3.906 unidades, uma queda de 44,6% em relação ao mesmo período do ano passado.
 
Na mesma comparação, as exportações caíram 39,8%, para 832 unidades, e a produção nacional caiu 52%, para 4.548 unidades. O número de empregos no segmento de máquinas agrícolas recuou para 130.262 postos de trabalho em fevereiro, 8,5% menos do mesmo mês do ano passado.
 
“Essa forte queda das vendas no primeiro bimestre demonstra claramente o baixo nível de confiança do investidor brasileiro. Não há razão real para o segmento de máquinas ter apresentado uma queda desse tamanho”, disse Luiz Moan Yabiku Junior, presidente da Anfavea.
 
“Tendo em vista o aumento do PIB da agropecuária em 2015, não há explicação econômica matematicamente comprovável para essa queda”, completa Ana Helena de Andrade, vice-presidente da Anfavea, responsável pelo segmento de máquinas agrícolas. Mas, segundo ela, a tendência é de reversão desse movimento. “Para que o ciclo virtuoso da agropecuária se mantenha, é preciso uma retomada de investimentos”.
 
Ana Helena destaca que as linhas de investimento voltadas ao segmento, como o Moderfrota, estão operando normalmente e deixou claro que espera melhores resultados nos próximos meses.
 
Fonte Jornal O Valor Econômico