Skip to main content

 

Durante a última semana, foram confirmados os primeiros casos positivos de covid-19 em trabalhadores da indústria frigorífica uruguaia, e imediatamente as autoridades nacionais e privadas tomaram as primeiras medidas para dar garantias aos clientes, num momento que a China anunciou em vários oportunidades, a presença do vírus em embalagens de carne bovina com origem em países da América do Sul e Europa; em alguns casos, o gigante asiático determinou a suspensão temporária dos frigoríficos envolvidos.

Uma das plantas afetadas foi o Frigorífico Lorsinal S.A., e desde a assinatura foi decidido na última sexta-feira suspender as atividades de abate e desossa. No entanto, a partir de segunda-feira eles pretendem retomar as operações de desossa com as mercadorias que estão reservadas nas câmaras e a partir de terça-feira para reiniciar as operações.

Sobre isso, o Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca (MGAP) informou que suspendeu preventivamente, por prazo indeterminado, a autorização de exportação de carne bovina para a China. Comunicou também que, desde a oficialização do covid-19 positivo, as produções serão retidas e analisadas, de acordo com a evolução da situação epidemiológica.

Outro caso positivo em uma operadora do setor industrial foi confirmado no Frigorífico Casa Blanca de Paysandú. Os embarques com destino à China passarão por uma inspeção exaustiva para afastar riscos, mas a princípio não serão afetados.

Paralelamente, no Frigorífico San Jacinto houve um caso positivo em um auxiliar de limpeza, informação que foi prestada pela empresa, mas não manteve contato com o restante dos trabalhadores e foi realizado um processo de desinfecção na fábrica para dar continuidade a um operação normal.

Nas próximas horas, o ministro da Pecuária manterá contatos virtuais com os representantes das indústrias para aprofundar as medidas e revisar os protocolos atuais para evitar riscos. Além disso, Carlos María Uriarte confirmou que a China não fez nenhuma consulta oficial para estes eventos, nem para as carnes congeladas que apareceram no país asiático com covid-19 positivo, segundo reportagens na mídia chinesa.

As duas linhas da Federação dos Trabalhadores na Indústria da Carne e Afins (FOICA), Cerro e Ciudad Vieja, estão divididas nas posições a serem ocupadas. Enquanto o FOICA Ciudad Vieja decretou paralisação geral das atividades para a próxima quarta-feira, 16, o FOICA Cerro, sindicato que reúne cerca de 70% dos trabalhadores da indústria de processamento de carnes, ainda avalia se adotará ou não a medida anunciada por seu par.

 

Acordos

A Productores Ganaderos del Uruguay (Progan), que atualmente conta com cerca de 400 parceiros distribuídos no país e envia cerca de 80 mil bovinos por ano, anunciou esta semana que é um bom momento para continuar avançando no vínculo com o setor de processamento de carnes. O Progan era vinculado à fundação Frigorífico PUL e mantém convênio de repasse de recursos ao Minerva, mas atualmente o Conselho de Administração anunciou que o convênio com a multinacional brasileira Marfrig Global Foods está em fase de encerramento.

O presidente da Progan, Luis Xalambri, afirmou que avançar nos convênios com a indústria “é o melhor que podemos fazer em benefício dos produtores, porque abrindo o campo teremos melhor acesso à comercialização. É uma vitória para todos ”.

 

Carne importada

A realidade do mercado internacional de carnes, com novos preços de compra e mudanças regionais nos preços das grandes fazendas exportadoras, com quedas no Uruguai e aumentos expressivos no Brasil, eliminou o interesse em importar carne bovina do do país do norte.

A situação tem levado muitos frigoríficos que atuam no mercado nacional a repensar seus negócios e a colocar mais foco na carne nacional para a comercialização do produto em um momento de maior demanda, visto que as férias de fim de ano se aproximam.

“Nós em particular, em dezembro não vamos trazer um quilo de carne importada, não atingimos os preços que eles nos pedem e estaremos trabalhando cem por cento com carne nacional”, disse Luis Avero, diretor do Frigorífico Saturno.

Nas últimas duas semanas, o mercado agrícola do Uruguai vem apresentando maior dinamismo, devido à menor oferta e maior necessidade de frigoríficos, e os preços subiram. Um consignatário explicou que o boi de exportação gira em torno de US $ 3 a US $ 3,05 e a vaca cerca de US $ 2,80 por quilo no anzol.

 

Exportação

Os produtores de Artigas expressaram seu otimismo em poder realizar algumas exportações de ovinos e bovinos a pé para o Brasil antes do final do ano.

O presidente da Agropecuaria de Artigas, Jorge Riani, confirmou que a passagem de fronteira em Artigas para exportar ovinos e bovinos vivos para o Brasil já é uma realidade.

Nesse sentido, o Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca habilitou o “Chiflero” local da Associação Agropecuária de Artigas como quarentena, mas o sindicato não participará dos negócios entre exportadores uruguaios e importadores brasileiros, apenas provê sua logística.

 

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.