A União Brasileira de Avicultura (UBABEF) está sugerindo medidas sanitárias para afastar das granjas o risco de contaminação com o vírus influenza (gripe aviária). A preocupação da entidade é com a chegada de turistas que venham ao país acompanhar a Copa do Mundo neste ano. Para manter o título de maior exportador de frango do mundo, a UBABEF alerta para a prevenção de doenças em 2014.

– A Copa do Mundo movimenta muitas pessoas, turistas vêm de todos os quadrantes do mundo. Há problemas sanitários na Ásia, no México, até na Europa, África. Então, nossa preocupação é muito grande. Nós temos que estender isso, para outros órgãos do governo, para que a fiscalização seja redobrada, reforçada – afirmou o presidente da UBABEF, Francisco Turra.

Na região de Holambra, no interior de São Paulo, quase todas as granjas já se adequaram à instrução normativa publicada pelo governo em 2012. A medida exige o comprimento de uma série de regras. Entre elas, cerca em volta de todo o terreno, tela de proteção contra pássaros, sistema de desinfecção para carros, registro de entrada e saída para saber de onde vem o visitante, entre outros cuidados. Para o coordenador de Produção Agrícola da Cooperativa Holambra, Jair Cardoso Ribas, poucas empresas ainda não se adequaram às normas.

– Mais de 90,0% já concluíram as adequações que a lei dizia que era até 6 de dezembro do ano passado. As granjas que faltam algum detalhe, alguma coisa, elas estão impossibilitadas de alojar para que essas adequações sejam cumpridas e assim volte a fazer novamente os alojamentos – disse Ribas.

Outra regra imposta é a de que nenhum estrangeiro tenha acesso às granjas. O Ministério da Agricultura vai acompanhar de perto para que doenças ainda desconhecidas no Brasil não entrem no país.

– Qualquer pessoa que não tenha nenhuma relação com a produção está proibida de entrar nos aviários de frango de corte, principalmente estrangeiros. Todos que venham de outro país não vão entrar justamente para evitar que algum problema, que exista lá fora, venha acometer nossos plantéis. Então, independente de qualquer evento que aconteça, ninguém pode entrar a não ser o responsável – declarou Ribas.

Além disso, a UBABEF também criou o programa de compartimentação da avicultura. Com isso, a produção é dividida em compartimentos, evitando uma possível contaminação geral nas granjas.

– A fábrica de ração, o incubatório, o abatedouro, as granjas daquela planta, região, ela está compartimentada, ela tem um grau de biosseguridade que mesmo em uma eventualidade, de uma entrada de vírus na região, no estado, não vai entrar dentro daquele compartimento. Todos os fatores de risco são analisados para evitar o risco da doença – relatou o diretor de produção da UBABEF, Ariel Antônio Mendes.

Fonte: Canal Rural