O presidente executivo da União Brasileira de Avicultura (UBABEF), Francisco Turra, e o diretor de Mercados, Ricardo Santin, participaram ontem (07) de uma reunião com o embaixador do Brasil no Panamá, Adalnio Senna Ganem, na capital panamenha. Durante o encontro, foram debatidos os caminhos para a abertura do mercado do Panamá aos produtos exportados pela avicultura brasileira.
 
Conforme Turra, o embaixador destacou o potencial de consumo dos produtos avícolas do Brasil naquele mercado, uma oportunidade que pode ser alavancada pela cooperação técnica entre os dois países por meio da Embrapa Internacional, que atualmente conta com uma unidade no Panamá. “Apesar de deter uma população relativamente pequena, o Panamá possui um excelente PIB per capita, que cresce em níveis asiáticos. Mesmo sendo uma nação mais próxima política e territorialmente dos EUA, segundo maior exportador mundial, cremos que bons negócios podem surgir para os produtores de aves e ovos do Brasil, que possuem excelente imagem, graças aos níveis sanitários de nossa produção”, ressaltou.
 
Segundo o presidente da UBABEF, atualmente o mercado do Panamá está fechado para as importações de produtos avícolas brasileiros. “Os questionários para habilitação de plantas brasileiras para esse mercado nunca foram respondidos. Neste sentido, vamos solicitar ao Ministério da Agricultura do Brasil que sejam agilizados os trâmites”, sinalizou.
 
Francisco Turra frisou que uma nova visita deverá ser feita ao Panamá em 2013, desta vez com a participação de empresários.
 
Em Cuba – Antes da agenda do Panamá, Turra e Santin participaram de um encontro com importadores de carne de frango e ovos cubanos, durante a Feira Internacional de la Habana (FIHAV 2012), em Havana.
 
Durante a ação, que contou com o apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), os representantes da UBABEF destacaram as características do modelo da produção avícola brasileira, líder mundial em exportações, graças aos investimentos das empresas em tecnologias e ao foco na sanidade, qualidade e sustentabilidade do setor.
 
“Cuba está às vésperas de uma grande mudança no país, e o turismo devolverá à ilha a prosperidade perdida. Essa é uma excelente oportunidade para intensificar nossos laços e garantir o setor brasileiro como parceiro na segurança alimentar cubana. Todos os fatores favorecem esse cenário e os próprios importadores demonstraram grande interesse pelos nossos produtos. Todas as empresas que participaram conosco foram bastante demandadas”, destacou Turra. A Seara Alimentos e a Globoaves participaram do evento.
 
O presidente da UBABEF ressaltou, ainda, que a cooperação técnica deve ser um dos alicerces para essa expansão nas relações comerciais entre brasileiros e cubanos.
 
“Falamos com empresários, produtores e o próprio governo local, e todos estão confiantes em receber o apoio da Embrapa para o desenvolvimento técnico do agronegócio local. Por tudo isso, vemos que as relações estão cada vez melhores e tenho certeza que tanto ovos quanto carne de frango e genética avícola do Brasil serão bem recebidos pelo mercado cubano”, arrematou Turra.
 
Fonte: O Presente Rural