A queda no fornecimento de energia elétrica foi sentida por avicultores de várias localidades em Tangará, entre as quais Gleba Pedrinhas, Gleba Goianos, Bandeirantes, Corta Vara e Triângulo.
 
Já na sexta-feira (16), 350 frangos morreram em um aviário na Gleba Triângulo. Já nesta semana, o prejuízo foi maior. O avicultor André Junior Pereira que atuas no ramo há 20 anos disse à reportagem Pioneira que nunca registrou fato semelhante. Ele cria em torno de 95 mil frangos distribuídos em cinco aviários e na última segunda-feira perdeu em torno de 10 mil aves na Gleba Goianos, localizada há cerca de 50 km da sede do município.
 
Segundo ele, a propriedade ficou sem energia elétrica na segunda-feira das 09h00min da manhã até às 21h00min. No entanto, como choveu na região naquele dia, não houve problema. Já na terça-feira, o fornecimento de energia foi interrompido às 08h00min da manhã e só foi restabelecido às 15h00min. “Ficamos 9 horas sem energia e aí foi que ocorreu este fato. Liguei várias vezes na central e eles só pediam para aguardar. O que foi possível fazer, fizemos. Morreram de 8 a 10 mil frangos. Em dois aviários os prejuízos foram maiores”.
 
Segundo o avicultor, a empresa fornecedora de energia elétrica sempre manda aguardar. “Você conversa com as pessoas autorizadas e eles dizem que há uma viatura só para dar assistência e que não dá conta. E nós ficamos prejudicados. Semana que vem já íamos entregar os frangos. Dependemos da energia até para os frangos comerem. Vamos agora tomar as providências, porque também não podemos ficar com os prejuízos, porque temos contas a pagar, investimentos altos que fizemos. Ninguém dá uma resposta concreta. A gente liga lá e eles mandam aguardar de 3 a 6 horas. Como aguardar em temperatura de 45 graus. Os frangos morrem mesmo. Estamos sem resposta até agora”.
 
Alguns avicultores da região já haviam entregado a produção do período, por isso não tiveram prejuízos. Um deles é Alicio Veiga. Ele conta que nesta semana não teve prejuízo porque há poucos dias havia retirado os frangos no aviário e entregue para o abate. Mesmo assim, a interrupção no fornecimento da energia na sexta-feira (16), das 13h00min às 19h00min causou prejuízos. “Mesmo molhando os frangos, morreram 350 aves. Isso acontece com frequência. A gente pede e eles demoram de 5 a 6 horas para atender. É triste”, disse ele.
 
Seu Alício lembrou que há cerca de três anos, o fornecimento de energia foi interrompido das 11h00min às 16h00min em sua propriedade, causando a morte de 1.200 frangos. Ele não foi ressarcido do prejuízo sofrido. “Ficou pra antiga Rede Cemat nos ressarcir do prejuízo de 2.360,00. Vieram e filmaram os frangos mortes e depois o rapaz veio aqui e disse que neste dia não tinha havido queda de energia e ficou por isso mesmo. Infelizmente é assim que acontece. Em 20 dias vou alojar de novo e já estou preocupado com a energia”, finalizou ele.
 
Fonte: Rádio Pioneira