Em um frigorífico de Campo Grande, duas mil cabeças de gado são abatidas por dia. Os miúdos representam 30% da produção total, são mais de 22 mil toneladas por mês.

Bucho, coração, rim, tendões, pâncreas e testículos estão entre os comestíveis mais procurados. Na culinária exótica entram ainda a artéria aorta e o vergalho bovino. O pâncreas também é usado na fabricação de insulina para diabéticos.

Metade da produção de miúdos é exportada. No mercado interno existe ainda a procura pelo cupim, fígado e mocotó.

Os miúdos representam de 10 a 15% do faturamento da empresa e o mercado ainda tem espaço para os subprodutos.

A bílis e o cálculo biliar são retirados de um líquido que fica na vesícula do animal. As tripas também têm grande aceitação na Europa, Rússia e na África, prova disso, é que 90% do total é exportado.

Antes de serem comercializadas, as tripas passam por um rigoroso processo de limpeza. É preciso eliminar qualquer material contaminante já que a tripa vai ser utilizada pela indústria de alimentos, principalmente no revestimento de embutidos, como salsicha e mortadela. Até o que sobra tem utilidade, vira farinha de carne e ossos, ração para peixes, frangos e porcos.

"Hoje não se deixa de aproveitar nada. O mercado é competitivo e temos que aproveitar todo o animal", explica Marco Batiston, coordenador do abate.

Fonte: G1