O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, previu ser difícil haver queda de juros e de inflação no começo de 2016 no Brasil caso os entraves fiscais não sejam corrigidos imediatamente.
 
"Se a gente não fizer isso, tudo vai ficar mais difícil", disse durante visita a Madri.
 
"É lógico que se tiver risco, o cambio mexe, a dívida muda e a evolução da política monetária é postergada. Então, o principal para a gente ter um começo de 2016 vendo um processo de queda de juros, inflação convergindo e as condições para as pessoas quererem investir é resolver agora a questão fiscal."
 
Apesar do entrave, Levy disse também não ver dificuldades para governar o Brasil atualmente, e afirmou achar que a economia está no rumo certo, acompanhando tendência de períodos de cortes de gastos em vários países como a Espanha. No Brasil, porém, o processo de austeridade será mais rápido, avaliou.
 
"Não vejo [dificuldades para governar]. Acho que estamos avançando. Tenho bastante confiança de que a economia está no rumo certo. Tem períodos que você vê mais custos que resultados. Isso acontece em vários países, aqui na Espanha a gente tem visto isso de uma forma muito intensa. Acredito que no Brasil vai ser mais rápido que na Espanha. O principal é focar nesses esforços estruturais que vão criar esse novo Brasil que a gente quer ver logo."
 
Em visita de um dia ao país, Levy tenta tranquilizar um público que acompanha de perto as contas brasileiras –o Brasil é hoje o segundo principal destino dos investimentos diretos espanhóis.
 
Pela manhã, em encontro com empresários organizado pelo jornal "El País", Levy afirmou que o governo considera ajustes na economia, incluindo a revisão de gastos e do número de ministérios.
 
Sobre sua afirmação de que o Partido dos Trabalhadores mudou, feita em uma entrevista ao jornal espanhol "El País" publicada neste domingo (6), Levy disse tratar-se apenas de "uma coisa mais leve para finalizar a entrevista".
 
MERCOSUL
 
Questionado pela imprensa espanhola sobre rumores sobre a saída do Brasil do Mercosul, ele disse que "não tem isso".
 
O governo brasileiro e dos outros países têm trabalhado para superar importantes barreiras. A qualidade do produto brasileiro é muito alta, e estamos fazendo um trabalho para que haja um reconhecimento dessa qualidade."
 
Pela tarde, Levy teve encontro reservado com 40 dirigentes de empresas espanholas com investimentos no Brasil, como Telefônica e o banco Santander, que consultaram o ministro sobre a política fiscal do país. "Estamos estão confiantes agora, sabemos que o país vai pelo bom caminho", disse Guillermo de la Dehesa, do conselho administrativo do Santander.
 
Levy se reuniu também com o ministro espanhol da Fazenda, Cristóbal Montoro, para discutir modelos de política fiscal, e depois seguiu para Paris.
 
(Folha de S. Paulo. )