Mesmo com alguma dificuldade encontrada em 2012, consequência do alto custo com os grãos, o ano termina com saldo positivo. Segundo os representantes dos três maiores frigoríficos do país, as projeções do setor são otimistas para 2013.

 
José Antônio Fay, presidente da BRFoods, Wesley Batista, do Grupo JBS, e Ricardo Florence, vice-presidente de finanças da Marfrig, foram homenageados no prêmio líderes do Brasil, que aconteceu no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do estado de São Paulo.
 
Segundo os representantes, o ano de 2012 não foi fácil para o setor. Para compensar os altos custos com a produção, neste final de ano, quando tradicionalmente aumenta o consumo da carne, o reajuste no preço final das carnes chega a 10%. Para o presidente da BRFoods, a tendência é de aumento no valor da carne bovina. Já o preço das aves deve se manter estável.
 
— Foi um ano difícil por causa do grão. A gente esperava que o grão começasse a perder um pouco do preço e ainda não cedeu. Os custos continuam altos — avalia Fay.
 
Para o presidente do JBS, maior frigorífico do mundo, o crescimento do setor poderia ter sido maior em 2012. Mesmo assim, ele comemora o resultado do ano.
 
— Nós assistimos um crescimento tímido do brasil. O agronegócio brasileiro até que cresceu melhor que a média. Nós vamos terminar o ano com o saldo bastante positivo — diz Batista.
 
Os representantes dos três maiores frigoríficos brasileiros fizeram previsões otimistas para 2013.
 
— Estou otimista. Acho que o grão cede um pouco no fim do ano, cede nos custos. Acho que os sinais são bons — afirma Fay.
 
— Um ano de muito trabalho, um ano de realizações, com a Seara crescendo bastante, prenúncio bom do que está por vir em 2013 e próximos anos — prevê Florence.
 
— Nós estamos super otimistas. Acreditamos que a economia brasileira cresce de forma expressiva. Acreditamos que o Brasil tem como crescer na casa dos 4% e o agronegócio até mais do que isto. Então estamos super otimistas com 2013 — diz Batista.
 
Fonte: Canal Rural