Enquanto as importações de carnes avícolas tendem a apresentar expansão de 5% no decorrer de 2012, as exportações devem ter incremento de não mais que 3%, prevê a FAO, apontando como causa para tão tímida projeção o andar (cambaleante) da economia mundial.

Com esse cenário à frente, surpreende a indicação de que a China tende a aumentar suas exportações em 15%, o que, se verdadeiro, corresponde a quase 60% do volume adicional previsto para 2012. Calma, porém: a maior parte dessas exportações refere-se a reexportações de Hong Kong (um território especial chinês) para a própria China. E isso considerado, as exportações efetivadas especificamente pela China a partir da produção interna devem apresentar crescimento anual em torno de 5%.

O Brasil, como se observa, tende a permanecer (pelo nono ano consecutivo) como líder das exportações mundiais de carnes avícolas. De toda forma surpreende o número adotado pela FAO para 2011, pois indica que o Brasil superou os 4 milhões de toneladas já no ano passado. E isso é verdadeiro visto que, além dos 3,943 milhões de toneladas de carne de frango, a avicultura brasileira exportou outras 141 mil toneladas de carne de peru. O curioso, neste caso, é que somadas as duas exportações, chega-se – em 2011 – a um volume total de 4,084 milhões de toneladas de carnes avícolas. E esse é, exatamente, o volume que está sendo previsto pela FAO para 2012.

Independente da coincidência ou do acaso, o fato é que a expansão prevista para o Brasil não deve passar dos 2%.

Fonte: Agrolink