O terceiro treinamento do “Programa AATQ, ABRA que aqui tem qualidade, tem como diretriz a  fabricação higiênica de farinha e gordura animal. O treinamento termina no próximo dia 04 de setembro e prepara  os profissionais que atuam na reciclagem animal para que possam implantar com sucesso o programa de fabricação higiênica de farinhas e gorduras de animais.
 
O programa trabalha os conceitos sobre microbiologia voltada para a reciclagem animal, a construção  de equipamentos e estruturas higiênicas, monitoria microbiológica e as ferramentas para se implantar a APPCC , análise de perigos e pontos críticos de controle em uma fábrica de reciclagem animal.
 
De acordo com o coordenador técnico da ABRA, Associação Brasileira de Reciclagem Animal, Lucas Cypriano, a finalidade do treinamento é  levar o conhecimento a quem toma decisão na fabricação de farinhas e gorduras, como  gerentes de produção, supervisores de qualidade, projetistas de equipamentos. Além disso a ideia é levar informação ao mercado consumidor para que os clientes entendam a realidade do setor e como os processos funcionam,  e  como as industrias de reciclagem animal podem atender as necessidades dos clientes sempre com  garantia de qualidade e segurança alimentar.  
 
“O animal que vai consumir a farinha está totalmente seguro sobre as condições microbiológicas adequadas” afirma o coordenador técnico . O treinamento mostra o caminho para que as empresas possam implantar o programa APPCC, análise de perigos de pontos críticos de controle,  dentro do  sistema de produção onde tem  que controlar para produzir um produto seguro, criar uma ferramenta de segurança alimentar, identificar onde estão os pontos que exigem maior cuidado nos processos recomendados pela ABRA.
 
Entre os participantes está Rodrigo Soria,  diretor da empresa  A&R Nutrição Animal de Maringá no Paraná que produz mais de 7 mil toneladas por mês de produtos a base de farinhas de origem animal. A empresa  exporta 30 por cento da produção para Ásia, África e América Central. O diretor Rodrigo Soria destaca  que a garantia de segurança alimentar com produto de qualidade está na preparação dos profissionais através de  treinamentos como este da ABRA.
 
Ele explica que no mercado internacional  a Europa é muito exigente, um bom modelo, e que existe uma associação mundial que se reúne constantemente para ditar as regras do setor, os europeus são  referência para as  exigências adotadas pelo mercado.  As indústrias brasileiras de reciclagem animal estão em um processo de melhoria da qualidade que não tem mais volta.
 
“Quem ficar sem qualificação está fora do mercado, e parabenizo a ABRA pela iniciativa do terceiro curso, é uma forma de levar o conhecimento aos associados” afirma Rodrigo