Se até meados de dezembro eram o calor e a baixa umidade que preocupavam produtores do Cerrado brasileiro, agora são as chuvas intensas que deixam agentes em alerta. Segundo pesquisadores do Cepea, várias regiões em Mato Grosso e no Paraná estão iniciando a colheita e o excesso de chuvas pode atrasar os trabalhos, além de prejudicar a qualidade do grão. Já nas praças em que as lavouras ainda estão em fase de desenvolvimento, as chuvas são benéficas e podem, inclusive, favorecer a recuperação da produtividade. 
   Apesar das recentes chuvas, as altas temperaturas, a baixa umidade durante o cultivo e o desenvolvimento vegetativo das lavouras de soja, especialmente em Mato Grosso e no Nordeste do Brasil, ainda geram especulações quanto aos impactos sobre a produtividade – muitos acreditam em menor produção. As precipitações dos últimos dias podem ter melhorado a situação, podendo favorecer a recuperação de boa parte das lavouras que ainda estejam em fase de desenvolvimento. Mas é preciso que as chuvas continuem para que alcancem potencial de rendimento médio. 
   No Sul do Brasil também chove em muitas regiões, mantendo as perspectivas de boa produtividade para a soja. Por outro lado, os baixos índices de insolação podem limitar um crescimento da produtividade e o aparecimento de doenças deve elevar os custos de produção.  
 
Fonte:  Canal Rural