Skip to main content

Embora ainda não seja cenário dominante, mais economistas estão revendo suas projeções e avaliam que a inflação vai ficar abaixo da meta, de 4,5%, em 2017. De 28 consultorias e instituições financeiras consultadas pelo Valor, nove já contam com essa hipótese, algo que não ocorre desde 2009, quando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 4,31%.
Foi determinante para as revisões, de acordo com analistas, a surpresa favorável com os últimos dados de inflação, em especial com os números de alimentação e serviços. Outros itens que subiram menos que o esperado nos últimos meses, avaliação que não é consenso, foram os bens duráveis e os administrados.
Depois da divulgação do IPCA15 de janeiro, que avançou apenas 0,31% menor alta para o período desde 1994 o economista chefe do banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, cortou a 4,37% sua estimativa para o aumento do IPCA em 2017. "Tudo está indo mais rápido do que se imaginava", afirma Gonçalves, referindose à descompressão dos preços de serviços, alimentos e itens administrados. É "bastante razoável" projetar que os serviços, que aumentaram 6,48% em 2016, encerrem esse ano com variação abaixo de 5%, diz. "O mercado de trabalho arrebentou a demanda por serviços das famílias", disse o economista, para quem os dados de emprego só devem se estabilizar ao fim deste ano. Ontem, o IBGE informou que o número de desocupados no quarto trimestre de 2016 atingiu o recorde de 12,3 milhões de pessoas.
Do ponto de vista da atividade, o quadro é propício para desaceleração dos preços, avalia Nelson Rocha, presidente do Banco Ribeirão Preto (BRP). Ao contrário do que muitos analistas e o próprio governo preveem, Rocha acredita que o Produto Interno Bruto (PIB) não vai parar de cair já neste primeiro trimestre. "A taxa de juros real cresceu, o lado fiscal tem sido extremamente contracionista e vários setores da economia estão fazendo cortes dramáticos, como os bancos." Motivado pela dinâmica ainda ruim da economia no curto prazo, mas também pelos preços de alimentação e de administrados mais comportados, Rocha revisou ontem, de 4,45% 4,35%, sua previsão para o taxa anual do IPCA.
"Tivemos que ser um pouco conservadores nessa projeção, porque o Brasil tem mecanismos de inércia e indexação. Se fôssemos trabalhar item por item, poderíamos chegar a uma inflação menor do que essa". Dessazonalizada e anualizada, a inflação do último quadrimestre é de apenas 3,3%, calcula o economista.
André Muller, da AZ Quest, reduziu em 0,5 ponto a estimativa para o aumento do IPCA em 2017, que caiu para 4,4% na última semana. Dentro da nova projeção, o grupo alimentação e bebidas deve registrar inflação de 4,7% a menor para o segmento desde 2009. No ano passado, esses itens subiram 8,6%. A apreciação recente do câmbio, que reduz as cotações de commodities no mercado interno, e as safras agrícolas mais robustas serão os responsáveis pela perda de fôlego, disse.
Considerando apenas os preços de alimentos consumidos em casa, a estimativa é de alta de 3,7% para este ano, afirma Elson Teles, do Itaú. Caso essa taxa seja zerada cenário que avalia como provável, depois de dois anos seguidos em que o grupo foi afetado por choques de oferta a previsão para o IPCA no ano cairia dos atuais 4,7% para um número mais perto de 4%, diz.
Nos demais preços livres, as surpresas favoráveis nos indicadores de inflação têm sido menores, pondera Teles, mas a atividade fraca está contribuindo para reduzir a inflação de serviços e de bens industriais, que devem terminar 2017 em 5,3% e 3,5%, respectivamente. A taxa de câmbio, que teve apreciação de 5% entre dezembro e janeiro, na média, também é outro vetor de alívio inflacionário, acrescenta. Tendo em vista todos esses fatores, a estimativa do Itaú para o IPCA está com viés de baixa.
Gonçalves, do Fator, também menciona o real mais forte em relação ao dólar como outra surpresa inflacionária. Em sua avaliação, o Banco Central está usando o câmbio para ancorar as expectativas de inflação, estratégia que tem funcionado.
Com ajuda da trajetória recente do câmbio, mas principalmente devido à demanda em queda, bens de consumo duráveis que representam cerca de 9% do IPCA vão
registrar deflação de 0,8% em 2017, diz Muller, da AZ Quest, depois de subir 1,3% em 2016.
"Vendo a ociosidade na economia e o desemprego crescendo a 13%, vamos demorar bastante para falar sobre uma possíve pressão da atividade sobre a inflação", diz Muller, para quem o PIB terá crescimento nulo este ano. 
 
Fonte: Valor Econômico