Skip to main content

Em duas semanas os preços no mercado atacadista de carne bovina sem osso acumularam alta de 2,5%, na média geral, segundo levantamento da Scot Consultoria.

 
Com os frigoríficos trabalhando com escalas de abate confortáveis, que atendem até duas semanas, e os preços da arroba pressionados, a alta pode ser atribuída à melhora nas vendas.
 
Nos açougues e supermercados paulistas, o reajuste neste período foi menor, 1,1%, ou seja, o sobrepreço para o consumidor diminuiu.
 
Atualmente, o sobrepreço médio, ou a diferença entre o preço pago pela carne no atacado e o valor de venda no varejo, é de 81,9%.
 
A margem do frigorífico vendendo a carne sem osso e os subprodutos, em relação ao valor pago pela arroba do boi gordo, está em 31,4%, uma das maiores já registradas.
 
O padrão de consumo atual, mesmo com aumento na oferta de carne, favorece as margens no atacado e varejo, cenário que ganha força com a queda nos preços da arroba.
 
Nos últimos sete dias, no varejo em São Paulo e Minas Gerais, houve alta de 1,5% nos preços enquanto no Rio de Janeiro e no Paraná o mercado ficou estável.
 
Fonte: Scot Consultoria / Agrolink