A Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) estima que serão investidos R$ 23,5 bilhões em terminais de uso privado. Os portos privados terão ainda investimentos de R$ 1,6 bilhão para as Estações de Transbordo de Cargas (ETC, portos em que a mercadoria apenas é transportada para outra embarcação), totalizando um investimento de R$ 25 bilhões só nos portos privados – a agência ainda não possui os valores para os portos públicos.
 

O diretor-geral da Antaq, Pedro Brito, destacou grandes projetos nos Estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia e a concentração de ETCs no Norte do país "destinadas à exportação de grãos, o que é muito bom porque vai preparar a logística do país", comentou durante coletiva de imprensa em que comentou a publicação da Lei do Portos, publicada ontem no Diário Oficial da União.

   
"Vamos ter uma importante expansão portuária para granéis agrícolas e para minério de ferro, que é o que o país mais precisa nesse momento". O diretor, no entanto, não soube estimar qual será a expansão de capacidade de movimentação dos portos. Ele destacou ainda "vários projetos importantes de atendimento ao pré-sal, com [portos destinados] principalmente para (o escoamento de) óleo e gás".

Sobre o cronograma de concessões, Brito disse que ainda não há um cronograma definido. "O mais adiantado é o porto de contêineres de Manaus e o porto de Imbituba, em Santa Catarina, que serão licitados até o final do ano", afirmou.
 
Fonte:  Agência CMA