Skip to main content

 
Os peixes amazônicos são uma "arma secreta" da indústria de pescados do Brasil, avalia o Rabobank. Em relatório divulgado semana passada, o banco holandês prevê que a produção brasileira de tambaquis crescerá mais de 30% até 2020, ultrapassando as 330 mil toneladas.
As características do tambaqui são um trunfo para o país. Na avaliação do Rabobank, tratase de um peixe fácil de cultivar a espécie vem sendo criada em cativeiro em água doce. Além disso, o tambaqui sofre poucas doenças e é mais resistente a mudanças ambientais.
A taxa de conversão alimentar do tambaqui é outra vantagem. Conforme o Rabobank, 1,8 quilo de ração é necessário para produzir 1 quilo do peixe. "O tambaqui tem um taxa de conversão de ração muito similar ao frango", destaca o banco.
No relatório, o banco também elenca desafios. Em comparação com a tilápia, carro chefe da aquicultura brasileira, o tambaqui tem uma taxa de lotação menor e sua produção requer mais área para gerar economias de escala.
Enquanto é possível produzir 50 toneladas de tilápia por hectare de lâmina d’água, a mesma área é capaz de produzir menos de 10 toneladas de tambaqui, segundo dados da Embrapa citados pelo banco. "A otimização dos custos e da taxa de lotação pode ser enfrentada com melhorias genéticas e com o desenvolvimento de rações específicas para a espécie", avalia o Rabobank.
Além do tambaqui, o banco também destaca o potencial do pirarucu, outro peixe amazônico. "Uma indústria muito jovem de cultivo de pirarucu está se expandindo rapidamente", aponta. Uma vantagem do pirarucu é o crescimento rápido. Em um ano, atinge 12 quilos.
Fonte: Valor Econômico