Skip to main content

O senador russo Gennady A. Gorbunov afirmou, nesta terça-feira (3/7), em reunião da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado que seu país tem grande interesse em suspender o embargo à importação de carne bovina do Brasil. O parlamentar e mais dois senadores russos vieram ao Brasil para tratar de temas do agro, especialmente com relação ao mercado de carnes.

A suspensão das compras da carne do Brasil, decretada pela Rússia no início do ano passado, atingiu vários frigoríficos brasileiros, e foi justificada por aquele país sob a alegação da existência de problemas sanitários na carne importada do Brasil. De acordo com Gorbunov, a Federação da Rússia tem um elevado déficit na produção de carne bovina, tendo, por essa razão, necessidade de suprir o mercado interno com importações.

Com relação às compras de carne suína e de aves, também atingidas pelo embargo, ele observou, no entanto, que a Rússia nos últimos anos já está conseguindo abastecer sua população com esse produto.

Infelizmente, para a Rússia, nós ainda enfrentamos um problema de déficit de abastecimento de carne bovina que gostaríamos muito de preencher com uma produção de alta qualidade do Brasil. Todos sabem que para aumentar a produção de carne de porco e de frango não é necessário muito tempo. Já com relação à carne de boi, a situação é diferente, pois uma elevação substancial da produção neste setor leva pelo menos dez anos, explicou Gorbunov.

Durante a reunião, presidida pelo senador Waldemir Moka (PMDB-MS), o coordenador-executivo da Comissão de Sanidade da Confederação Nacional de Agricultura (CNA), Décio Coutinho, fez uma apresentação aos parlamentares russos do novo sistema de rastreabilidade que o Brasil está implementando em todo o território nacional.

Respondendo a questionamento do senador Sergio Souza (PMDB-PR), Gorbunov garantiu que o embargo da Rússia à carne brasileira não foi decretado em razão de a Rússia ter passado a comprar o produto dos Estados Unidos ou da União Europeia em troca de apoio político para sua entrada na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Já o senador Antônio Russo (PR-MS) solicitou à comitiva de parlamentares russos sua interferência junto aos órgãos de comércio exterior daquele país, no sentido de permitir o acesso ao mercado russo da produção brasileira de carnes não apenas para grandes frigoríficos, mas também para médios e pequenos produtores.

Ao final da reunião, o senador Blairo Maggi (PR-MT) reclamou do excesso de rigor da fiscalização nos portos da Rússia sobre cargas de soja originárias do Brasil. De acordo com Blairo Maggi, a simples presença na soja, em quantidades mínimas, da impureza constituída por uma erva daninha brasileira, que tem o nome popular de picão-preto, é suficiente para os fiscais russos não darem permissão para o desembarque do produto brasileiro.

Fonte: Sou Agro. Pela Redação. 3 de julho de 2012/Scot Consultoria