A Coordenação Geral de Programas Especiais – CGPE do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA entregou na última sexta-feira para a Associação Brasileira de Reciclagem Animal – ABRA, o relatório final das visitas técnicas dos técnicos chilenos que estiveram no Brasil em agosto para habilitar e renovar plantas de Reciclagem Animal para que exportem farinhas e gorduras de origem animal -FGOA para o Chile.
 
A Missão foi organizada pela ABRA e o MAPA. Durante duas semanas os técnicos visitaram 17 indústrias para verificar se o processo de produção estava de acordo com os padrões técnicos e sanitários e de estrutura do país.
 
Das 17 plantas vistoriadas, 12 buscavam a renovação e cinco a habilitação. Cinco plantas tiveram a aprovação direta dos técnicos chilenos, outras sete terão que solucionar alguns ajustes apontados para que estejam aptas a exportar. Apenas quatro empresas foram consideradas inaptas pelos técnicos.
 
Segundo o Sr. Vinícius Marques, secretário executivo da ABRA, a missão pode ser considerada como bem sucedida pelo número de indústrias que passarão a exportar. “Somando as cinco plantas com aprovação direta e mais as sete com pequenas pendências e que em breve também exportarão, temos aproximadamente 70% de aprovação comprovando a evolução do setor e sucesso da missão” afirma.  
 
A ABRA está em diálogo constante tanto com o governo brasileiro quanto ao governo chileno para que possam ser ajustados as não conformidades das empresas que apresentaram pendências. Estamos orientando as empresas com pendências, que façam um plano ação com as corretivas, para que possamos apresentar ao governo brasileiro e consequentemente ao chileno.  “A Nossa expectativa é de que dentro de 60 dias todas as empresas estejam exportando”, afirma Sr. Lucas Cypriano, coordenador técnico da ABRA.
 
Grande parte das indústrias buscavam a habilitação e renovação para produtos originados do abate de aves, como a farinha de penas, farinha de vísceras de aves, o óleo de aves e farinha de sangue. Outras pediram vistorias também para produtos de bovinos, suínos e mistos.
 
Mercado Chileno
 

O consumo de farinhas e gorduras de origem animal brasileiro é bastante aquecido. Por isso, as exportações representam apenas 2% do total da produção nacional.
 
Segundo o I Diagnóstico da Indústria Brasileira de Reciclagem Animal, o Chile é o país que mais importa os produtos de origem animal sendo responsável por 53% deste total ao importar mais de 37 mil toneladas em 2010 gerando uma receita de 15,2 milhões de US$.
 
Os produtos exportados são destinados para a alimentação de animais no país. 
 
Acesse o I Diagnóstico da Indústria Brasileira de Reciclagem Animal: https://www.abra.ind.br/views/diagnostico.php