A garantia de que o Rio Grande do Norte estará livre da febre aftosa com vacina foi dada pelo ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, em reunião na última semana com a governadora Rosalba Ciarlini, representantes do Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do Estado (Idiarn) e da Emater e técnicos do Ministério.

 
O encontro teve o objetivo de apresentar ao governo do Rio Grande do Norte o resultado de uma auditoria realizada pelo Ministério da Agricultura, entre os dias 30 de julho e 3 de agosto, para diagnosticar a situação do Estado com relação à febre aftosa.
 
Para o ministro, foi um trabalho forte de parceria feita entre o governo estadual e o Ministério da Agricultura.
 
– Tivemos a oportunidade de ver a clareza no trabalho que está sendo feito em defesa da sanidade, da segurança da saúde, em defesa da economia do Estado. Quero em setembro ir ao Rio Grande do Norte para revogar o ato que coloca barreiras para o trânsito de animais no Estado. Isso vai permitir que o RN faça uma grande festa diferenciada no cinquentenário da Festa do Boi – disse o ministro.
 
Já a governadora Rosalba Ciarlini comemorou a notícia ressaltando o trabalho e a dedicação dos técnicos da Secretaria de Agricultura, através do Idiarn. Segundo ela, é um esforço grande de recuperação para que o Estado consiga, no dia 25 de setembro, a assinatura do ministro para a revogação da Portaria que impede o trânsito dos animais por causa da aftosa.
 
O diretor do Departamento de Saúde animal do ministério, Guilherme Marques, apresentou o relatório e disse que o Rio Grande do Norte obteve uma melhora significante desde 2011.
 
– Nunca houve na história do Estado uma iniciativa de governo de comprometimento para corrigir as distorções existentes e vontade de corrigi-las – disse.
 
O técnico também apresentou um planejamento com várias ações para que em curto período as pequenas distorções existentes sejam corrigidas. Segundo Marques, as metas de recuperação e solução do problema ainda não foram atingidas, mas acredita que com o empenho dos órgãos e do governo o trabalho será possível.
 
Fonte:Rural BR