O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informa que seguem mantidas as ações relacionadas à vigilância de síndromes respiratórias em todo território nacional sem nenhuma notificação clínica de casos até o presente momento.
 
Nos últimos meses as notícias sobre a morte de humanos devido à Gripe A (H1N1), erroneamente chamada de gripe suína, ocorrida, especialmente no Sul do País, preocupou os consumidores da carne suína. Mas o Ministério da Agricultura confirma que a carne de porco está fora de perigo e pode ser consumida com segurança em qualquer parte do mundo. É dever do ministério esclarecer e tranquilizar os brasileiros de que o fato de o vírus da Gripe A/H1N1 humana conter componentes genéticos de suínos, aves e humanos, os produtos suínos aqui produzidos não oferecem risco de disseminação de doenças.
 
O Sistema Brasileiro de Defesa Animal (sanidade e inspeção de produtos de origem animal) inclui todo o controle sanitário do plantel e a inspeção ante e post-mortem dos animais no abate por médicos veterinários oficiais, visando assegurar a sanidade, qualidade, inocuidade e conformidade do produto final apresentado aos consumidores. Também já está comprovado que, mesmo se o animal estivesse infectado, o consumo de carne não representa risco para a contaminação do ser humano, desde que realizado o cozimento da carne a 70 ºC, que inativa qualquer vírus que se encontre na carne crua.
 
Com a declaração da Organização Mundial de Saúde (OMS) que tornou a Gripe A/H1N1 humana ocorrida no México e nos EUA em 2009, como emergência de Saúde Pública de Importância Internacional, houve uma grande mobilização, por parte de todos os países, nas áreas de saúde humana e animal para prestar esclarecimentos sobre a pandemia.
 
Fonte: MAPA – Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento