Skip to main content

Em um contexto de desafios para a indústria de carne bovina brasileira, com a estiagem que atingiu o País nos meses de fevereiro e março, a Minerva Foods (Barretos/SP), empresa que atua na produção e comercialização de carne in natura, gado vivo e seus derivados. A companhia registrou lucro líquido de R$ 69,1 milhões no primeiro trimestre deste ano, resultado 12 vezes maior que o reportado em igual período de 2013.
 
De acordo com o diretor-presidente da Minerva Foods, Fernando Galletti de Queiroz, a diversificação geográfica das unidades e a estratégia de basis empregada no período manteve a competitividade na compra do gado, preservando a rentabilidade das operações. “Aumentamos a compra de gado à vista, a fim de garantir o fornecimento às plantas e, ao mesmo tempo, bom retorno operacional. Focamos também na melhoria do mix de vendas, elevando as exportações (o que exige maior capital de giro) sem comprometer as oportunidades no mercado interno”, explica.
 
Nos três primeiros meses de 2014, a Minerva reportou receita líquida de 1,398 bilhão, valor 17% superior ao reportado no mesmo período do ano passado. Essa alta é resultado de um acréscimo de 19,4% nas vendas para o mercado externo e de 11,4% para o mercado interno ante o primeiro trimestre de 2013.
 
O Retorno sobre o Capital Investido (ROIC) atingiu 19,8% no 1T14, 1,6 p.p. superior ao ROIC do 1T13, reafirmando o comprometimento da administração com o retorno gerado nas operações. O Ebitda do 1T14 foi de R$ 136,4 milhões, 35,8% acima do valor apresentado no 1T13. A margem Ebitda no primeiro trimestre de 2014 foi de 9,7% e apresentou expansão de 140 bps em relação à margem do 1T13. Tanto o ROIC quanto a margem Ebitda do 1T14 foram os maiores de um primeiro trimestre desde que a empresa abriu seu capital em 2007.
 
Aquisições. No primeiro trimestre deste ano, a Minerva avançou ainda mais em seu plano de investimentos que foi anunciado no final de 2012, adquirindo uma planta de abate e desossa na cidade de Janaúba, no estado de Minas Gerais e um frigorífico no bairro de Carrasco, na cidade de Montevideo, no Uruguai. Além disso, a companhia aguarda o resultado da análise do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) quanto a aquisição de duas planta da BRF no Mato Grosso, anunciada em novembro de 2013. Quando concluídas as operações, a Minerva elevará sua capacidade produtiva em aproximadamente 40%, passando de 11.480 cabeças/dia para 15.880 cabeças/dia.
 
Em março, a empresa realizou a emissão de um Bond perpétuo no mercado internacional, de US$ 300 milhões, com juros de 8,75% ao ano. De acordo com o diretor-presidente da Minerva, o objetivo da operação foi o de alongar o prazo médio de vencimento da dívida da Companhia, e aprimorar a estrutura de capital através da utilização de um instrumento diferenciado de captação.
 
“A emissão teve forte demanda de investidores, de cerca de quatro vezes o montante total emitido, demonstrando a confiança do mercado nos fundamentos de longo prazo da Minerva. Vale destacar que essa é a primeira emissão de notas perpétuas realizada por uma empresa do setor de proteína animal da América do Sul”, afirma Galletti de Queiroz.
 
O relatório completo do primeiro trimestre de 2014 pode ser conferido em www.minervafoods.com
 
Fonte: AI, adaptado pela equipe feed&food.