Skip to main content

 
   Pela terceira semana seguida, o mercado reduziu a projeção para a inflação em 2016 e agora prevê que o índice oficial IPCA avançará 7,31% neste ano, contra estimativa de alta de 7,43% na leitura passada. As informações estão no Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (28). Para 2017, a previsão para a inflação foi mantida em 6%, teto da meta estabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) para o próximo ano, que é de 4,5% com 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. 
 
   O IPCA-15, considerado uma prévia da inflação oficial do país, divulgado na quarta-feira (23) pelo IBGE já indicava que a recessão enfrentada pelo Brasil começava a ter efeito sobre os preços. O índice foi de 0,43% em março, bem abaixo do registrado em fevereiro (1,42%) e no mesmo mês do ano passado (1,24%). 
 
  O Boletim Focus voltou a mostrar, no entanto, previsões de piora para a economia brasileira. Economistas e instituições financeiras ouvidos pelo Banco Central calculam que o PIB (Produto Interno Bruto) cairá 3,66% neste ano, contra estimativa anterior de 3,6%. Há quatro semanas, a retração projetada era de 3,45%. Para o próximo ano, o crescimento foi cortado de 0,44% para 0,35%. 
 
   Os economistas reduziram também, mais uma vez, a projeção para o dólar no ano. Agora, veem a taxa de câmbio encerrando 2016 a R$ 4,15, ante R$ 4,20 na semana anterior e R$ 4,35 há quatro semanas. Em 2017, a perspectiva foi reduzida de R$ 4,30 na semana passada para R$ 4,20 nesta pesquisa. Em relação à taxa básica de juros (Selic), a expectativa é que encerre o ano a 14,25%, mesma previsão da semana passada. Para 2017, o mercado manteve a projeção de 12,50%.
 
Fonte: Folha de São Paulo