Os dados foram divulgados na terça-feira (2), pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), com base em informações da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
 
 
A produção mato-grossense do biocombustível é superada apenas pelo processamento das plantas instaladas no Rio Grande do Sul, que entre janeiro e maio fabricaram 335 milhões de litros, e pela fabricação das usinas de Goiás, que no mesmo período atingiram a produção de 238,6 milhões de litros.
 
 
Com dois, dos três principais estados produtores, a região Centro-Oeste se mantém como líder do ranking de produção nacional, com quase 494 milhões de litros. Na sequência, aparecem as regiões Sul, com 381 milhões de litros, e Nordeste, com 134 milhões.
 
 
Em âmbito nacional, a produção do biocombustível cresceu 13% entre janeiro e maio deste ano frente ao mesmo período do ano anterior, quando haviam sido processados 1 bilhão de litros.
 
 
A Abiove aponta que o crescimento da produção de biodiesel no Brasil segue a tendência de elevação do consumo de diesel B (mistura composta por 95% de diesel A com 5% de biodiesel). Nos primeiros meses do ano, o crescimento da demanda interna por diesel foi de 6,7% em relação a 2012.
 
 
Matérias-primas
 
Na fabricação de biodiesel, a matéria-prima óleo de soja ganhou participação em abril. No acumulado do ano (janeiro a abril de 2013), essa fonte respondeu por 71% de todo o biodiesel fornecido, um aumento de 2 pontos percentuais em relação aos dados anteriores (janeiro a março de 2013). O sebo bovino mantém-se na segunda posição, representando 20% da produção de biodiesel.

 

Fonte: Cenário MT