A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, deu início nesta terça-feira, 6 de janeiro, a uma “faxina” em cargos ocupados por apadrinhados políticos do PMDB na pasta, especialmente os indicados pelo líder do partido na Câmara, Eduardo Cunha. A ministra decidiu levar técnicos da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para ocupar postos estratégicos.
 
O novo chefe da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) será Décio Coutinho, que é atualmente assessor técnico da CNA. Ele foi o articulador da entidade na elaboração da Plataforma de Gestão Agropecuária (PGA), ferramenta criada em parceria com a Agricultura para fazer a gestão operacional do setor agropecuário e reforçar o controle sanitário do rebanho bovino brasileiro.
 
Coutinho substitui Rodrigo Figueiredo, que chegou ao cargo em 2013 por indicação de Cunha. Sob a gestão de Figueiredo, a secretaria tomou uma série de decisões que teriam beneficiado o JBS – a empresa nega ter sido favorecida.
 
Outra troca promovida por Kátia foi na Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Ela nomeou a superintendente de Comércio Exterior da CNA, Tatiana Palermo, para o lugar de Marcelo Junqueira Ferraz, que ascendeu ao posto também por indicação de Cunha.
 
A nova secretária é nascida na Rússia e naturalizada brasileira. Ela é vista como peça estratégia por Kátia Abreu no momento em que o governo russo abre seu mercado para produtos brasileiros – especialmente carne suína e de frango – em meio à tensão com os Estados Unidos e a União Europeia em razão da anexação de parte da Ucrânia.
 
 
Fonte: O Estado de São Paulo, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint