A JBS S.A, maior processadora de carne bovina do mundo, informou na quarta-feira (11) que teve um lucro líquido recorde de R$ 3,44 bilhões no terceiro trimestre de 2015, impulsionada por variação cambial elevando ganhos com derivativos no resultado financeiro da companhia.
O lucro da empresa subiu 215% na comparação com o terceiro trimestre de 2014, sendo que a companhia registrou uma receita financeira líquida de R$ 2,6 bilhões. 
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) subiu 6% para R$ 3,8 bilhões no terceiro trimestre, enquanto a margem Ebitda fechou o período a 8,9%. A JBS também teve forte desempenho operacional, e sua receita líquida consolidada de R$ 43 bilhões foi 39,8% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.
A JBS Foods, unidade que engloba a Seara e outras marcas de alimentos processados da empresa no Brasil, teve aumento de 48,4% na receita, a R$ 5 bilhões. Outro destaque foi o desempenho da JBS Mercosul, unidade de produção de carne bovina no Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, que registrou alta de 10,5% nas receitas, a R$ 7,1 bilhões. 
Já as unidades de negócio da companhia nos Estados Unidos apresentaram queda nas receitas e nas margens operacionais. A JBS USA Carne Bovina teve receita de US$ 5,8 bilhões, queda de 1,7% na comparação anual. 
A receita da JBS USA Suínos somou US$ 785,4 milhões, redução de 16,3%, enquanto a receita líquida da JBS USA Frango (Pilgrims’ Pride) caiu 6,9%, a US$ 2,1 bilhões. 
No terceiro trimestre, 69% das vendas globais da JBS foram realizadas nos mercados domésticos em que a companhia atua e 31% por meio de exportações. 
A dívida líquida da JBS fechou setembro a R$ 41,7 bilhões, com índice de endividamento medido por dívida líquida/Ebitda de 2,55 vezes. Incluindo o resultado proforma das aquisições recentes, a alavancagem ficou em 2,32 vezes.
 
Fonte: Carnetec