A concentração da indústria de frigoríficos aumentou em Mato Grosso desde 2008, após uma onda de aquisições no setor que permitiu ao JBS atingir fatia de 48% da capacidade total de abate no estado, apontou estudo do Imea.
A pesquisa feita pelo Imea, a pedido do federação dos produtores do Estado (Famato), concluiu que houve um rápido crescimento da indústria frigorífica com empresas em melhores condições aproveitando para fazer aquisições em meio à crise internacional, o que levou até ao fechamento de algumas unidades. “Algumas indústrias transformaram essa crise em oportunidade”, disse o Imea, ao considerar o desempenho do setor no período.

O estudo apontou ainda um aumento de 17% na capacidade de abate de Mato Grosso, que conta com o maior rebanho bovino do Brasil, para 38,4 mil cabeças por dia, ante os 32,7 mil bovinos de 2008.

Em 2008, o frigorífico Quatro Marcos estava na liderança com 17% da capacidade de abate do estado, e o JBS estava empatado como o Independência na segunda posição de mercado, ambos com uma fatia de 14%.

A crise econômica global daquele ano afetou as operações de vários frigoríficos na região, que acabaram entrando em recuperação judicial ou encerrando operações.

Em meio a este cenário de crise, o JBS reforçou sua atuação por meio de aquisições e expansão, e viu já no ano seguinte sua participação saltar para 34%, seguindo pelo Independência, Brasil Foods e Marfrig, cada um com uma fatia de 11%.

Para 2012, o Imea estima que a capacidade de abate do JBS deve corresponder a 48% de um total de 38,4 mil de cabeças.

Fonte: Reuters, IMEA, adaptada pela Equipe BeefPoint.