Skip to main content

O Governo Federal vai lançar na quinta-feira, no dia 25 de outubro, o Plano Safra da Pesca, com investimento de R$ 4,1 bilhões até 2014, para dobrar a produção de pescado no país. Segundo a presidenta Dilma Rousseff, o objetivo é tornar a indústria da pesca competitiva e capaz de gerar mais renda para as famílias de pescadores.

“Vamos investir R$ 4,1 bilhões até 2014 e, assim, dobrar a produção de pescado no Brasil, chegando a 2 milhões de toneladas por ano (…) Vamos aumentar o crédito, vamos investir em assistência técnica, estimular a formação de cooperativas, ajudar a melhorar as condições de armazenagem e a comercialização do pescado. Além disso, nós vamos investir em pesquisa para aumentar a produtividade do setor. Combinando tudo isso, vamos tornar nossa indústria da pesca muito mais competitiva”, disse a presidenta.
Dilma explicou que os pescadores com renda de até R$ 160 mil por ano e os aquicultores com renda de até R$ 320 mil por ano vão ter acesso a crédito em condições facilitadas, com juros anuais de 4%, além de dois anos de carência para começar a pagar. O microcrédito para os pescadores terá uma condição ainda melhor. Eles poderão receber empréstimo de até R$ 2.500 e vão ter dois anos para pagar, com juros de 0,5% ao ano. Quem pagar em dia vai ter um desconto de 25%.
Para incentivar o crescimento das cooperativas de pescadores, a presidenta disse que será destinado crédito de R$ 30 milhões, com juros de 2% ao ano. “Com esse dinheiro, as cooperativas poderão comprar equipamentos e tanques-rede, modernizar os barcos, comprar câmaras frias, melhorar a comercialização e evitar o desperdício, que é um dos maiores problemas da produção de peixe no Brasil”, afirmou.
O governo também vai ajudar a garantir a venda do peixe. Segundo a presidenta, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) vai comprar até 20 mil toneladas de pescado por ano dos produtores. Ela disse ainda que o Plano Safra da Pesca vai ajudar a tirar da miséria cerca de 380 mil famílias que vivem da pesca.
“Muitas dessas famílias estão nos mangues ou nas comunidades ribeirinhas. O que nós queremos é melhorar a vida dessas famílias, garantindo a elas o direito de ter um trabalho, de produzir e gerar sua própria renda. Ao melhorar a vida desses pescadores brasileiros e de suas famílias, estamos dando a eles a oportunidade de também participar deste novo Brasil, mais desenvolvido e mais justo, que estamos construindo, juntos, a cada dia”.
 
Fonte: MAPA