O governo nomeou hoje mais seis adidos agrícolas para novos postos na Colômbia, Indonésia, Egito, Marrocos, Canadá e Bruxelas — sede da União Europeia. As nomeações foram publicadas na edição da sexta-feira do “Diário Oficial da União”

Com exceção de Bruxelas, que agora ficará com dois adidos, os outros cinco países contarão pela primeira vez com um representante do gênero. O cargo é ocupado por servidores do Ministério da Agricultura, que precisam passar por processo de seleção. Entre os novos adidos estão Guilherme Costa, que foi Diretor do Departamento de Acesso a Mercados do ministério e era presidente da Codex Alimentarius – entidade internacional que define padrões técnicos para alimentos –, e Marcus Vinícius Segurado, que era diretor de Sanidade Vegetal do ministério. Os adidos têm a missão de representar o Brasil em assuntos de comércio exterior e recentemente ganharam destaque nos planos do Ministério da Agricultura de ampliar de 7% para 10% a participação dos produtos agropecuários brasileiros nas exportações mundiais. Com os novos nomeados, o ministério passa a contar com 20 adidos agrícolas. Outros países ou cidades que já contam com esses postos são: África do Sul, Arábia Saudita, Argentina, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia, Japão, México, OMC/Genebra, Rússia, Tailândia e Vietnã. A meta do ministro Blairo Maggi é ampliar para 25 o número de adidos agrícolas até 2020. Nesta semana, a futura ministra da Pasta, deputada Tereza Cristina (DEM-MS), afirmou que os adidos terão papel ainda mais fundamental em sua gestão para melhorar a imagem sanitária dos produtos do agronegócio brasileiro.

Fonte: VALOR ECONÔMICO