A primeira delas prevê o aumento da utilização de carne suína nas refeições oferecidas pelo Estado nas escolas, abrigos e centros de atenção social, hospitais e nos presídios catarinenses. Em paralelo, também será produzida uma campanha publicitária destacando os benefícios da carne suína.
 
Ambas as ações buscam aumentar o consumo interno para melhorar a situação do setor, que passa por uma crise no mercado brasileiro. "O Governo já está em um limite de ação, mas faremos o possível para ajudar os agricultores que ajudaram a construir esse Estado", disse o governador.
  
"Com a isenção do ICMS para leitões, nós já conseguimos dar um pouco de fôlego aos produtores. Em breve, também implantaremos a Guia de Trânsito Animal Eletrônica, que é uma demanda antiga do setor", disse o secretário da Agricultura, João Rodrigues. As quedas nos valores pagos pela carcaça suína chegam a 30% na parcial de 2012 e estão nos menores patamares deste ano, aponta levantamento realizado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – Cepea.
   
Os produtores calculam que na venda de um suíno de 100 quilos, se perde cerca de R$ 80. A crise é causada por um aumento do preço das commodities utilizadas na alimentação dos animais, milho e soja, e também a um aumento da produção sem que o consumo do mercado brasileiro tenha acompanhado o crescimento. O preço-base do quilo do suíno está em R$ 1,90, para um custo de produção de R$ 2,57, calculado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa. "Uma tonelada de farelo de soja está em R$ 1.100, quando pagávamos R$ 600 no início do ano", explica o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos – ACCS, Losivanio Luiz de Lorenzi. "Nossos produtores estão desistindo de criar porcos", emendou o diretor-superintendente da empresa de criação de suínos Master, Mario Faccin.
  
O encontro, realizado no gabinete do governador, reuniu os secretários da Assistência Social, Trabalho e Educação, João Cândido; da Justiça e Cidadania, Ada de Luca; e os secretários adjuntos da Saúde, Acélio Casagrande; e da Educação, Elza Moreto. Os quatro apresentaram os números de consumo atuais e se comprometeram a aumentar as compras de carne suína para a alimentação oferecida pelos órgãos. Participaram também do encontro os produtores, Marcos Spricigo, de Arroio Trinta, Adir Engel, de Braço do Norte e o prefeito de Arroio Trinta, Claudio Spricigo.
  
No caso de alimentação terceirizada, os responsáveis pelo contrato serão comunicados para aumentarem a quantidade do produto no cardápio das refeições. "O sistema de compras do Governo está todo nessa mesa, então por parte do Estado nós vamos aumentar o consumo", afirmou o governador. O secretário da Comunicação, Enio Branco, ficou responsável por desenvolver a campanha. Também participaram o secretário da Fazenda, Nelson Serpa, e o presidente da Associação Catarinense de Supermercados, Atanásio dos Santos Neto, que se comprometeu a buscar mecanismos no varejo para ajudar o setor.
  
Para Lorenzi, esta é a ação possível do Governo, "não vai resolver o problema como um todo, porém, ajuda e muito, e ainda mostra a sensibilidade e preocupação do Governo Estadual com o setor" diz. O presidente explica que tudo irá depender da aceitação do consumidor com relação à campanha. "Acredito ser uma grande alternativa no momento e terá um diferencial a médio e longo prazo, pois irá fidelizar o consumidor, ou seja, quando eles conhecerem a qualidade e o sabor desta nobre carne que é a suína", diz.
  
Losivanio diz ainda que a parceria com a ACATS também será importante, pois irá fazer um diferencial no atrativo para chamar o consumidor na gôndola da carne suína. "O empenho de colocar na merenda escolar e em todos os órgãos do governo poderá aumentar o consumo em mais de 300%, somente nos volumes comprados pelo Governo", diz Lorenzi.
  
O compromisso do Governador e do Secretário da Agricultura é se reunir com o Ministro na próxima semana para solicitar apoio aos produtores e implantar as reivindicações apresentadas pelo setor. Lorenzi finaliza dizendo que os demais Estados podem estender estas ações que serão realizadas de Santa Catarina para ajudar amenizar a crise que o setor suinícola enfrenta em todo o país. Com informações da assessoria de imprensa da ACCS e da Secretaria de Estado de Comunicação de Santa Catarina.

Fonte: Suinocultura Industrial