Com seus lucros pressionados por três anos de queda nos preços de produtos agrícolas, algumas das maiores empresas de agronegócio do mundo estão cogitando se unir no que pode ser a primeira grande transformação do setor em pelo menos uma década.
   A Syngenta está negociando uma potencial fusão com a divisão agrícola da DuPont, que também discute outro possível acordo na área agrícola com a Dow Chemical. As discussões estão nos estágios iniciais, mas ganharam força desde que a Monsanto desistiu, em agosto, de tentar adquirir a Syngenta, depois que sua proposta de US$ 46 bilhões foi rejeitada pela empresa suíça. Se fechado, o negócio teria criado a maior fornecedora mundial de sementes e pesticidas. Agora, a Monsanto pode enfrentar a ameaça de concorrentes muito maiores se suas rivais acabarem se unindo, dizem analistas. 
Os executivos têm indicado publicamente seu interesse na consolidação do setor. Edward Breen, que se tornou diretor-presidente da DuPont em 16 de outubro, depois da saída de Ellen Kullman, disse na semana passada que vem discutido acordos com outras empresas do setor.Fonte:
Jornal O Valor Econômico – Por Jacob Bunge, Shayndi Raice e Eyk Henning | The Wall Street Journal