Skip to main content

Os frigoríficos querem dar notas aos pecuaristas pelas práticas socioambientais, em um modelo semelhante ao adotado por agências de classificação de risco na avaliação de bancos ou países.

 
A proposta, elaborada pela Abiec (Associação Brasileira da Indústria de Carne Bovina), será discutida hoje e na sexta-feira com a Procuradoria-Geral da República e com a Abras (Associação Brasileira dos Supermercados).
 
Trata-se de uma nova tentativa de elevar o nível das informações que os frigoríficos têm de seus principais fornecedores, diante de crescentes exigências socioambientais.
 
Fernando Sampaio, diretor-executivo da Abiec, acredita que o "rating" pode estimular os pecuaristas a apresentar mais dados sobre suas propriedades.
 
Quanto mais informações divulgadas e maior o nível de regularização, maior a nota.
 
"Queremos diferenciar quem está no vermelho", diz Sampaio, referindo-se aos pecuaristas excluídos do fornecimento de grandes frigoríficos por falta de informações.
 
Em 2009, quando o Greenpeace relacionou a pecuária ao desmatamento da Amazônia, os principais frigoríficos se comprometeram a não comprar bois de áreas desmatadas e com problemas agrários ou de trabalho escravo.
 
Para compor o rating, serão analisadas informações geográficas (por imagens de satélite), da documentação da propriedade e das listas de irregularidade do Ibama e do Ministério do Trabalho.
 
Além da indústria, do MP e do varejo, o rating também pode interessar aos bancos em seus processos de avaliação do risco de crédito ou de seguro, acredita a Abiec.
 
Fonte:  Folha de São Paulo
Foto: Portal do Agronegócio