A oferta de animais terminados recuou e os frigoríficos têm dificuldade em negociar boiadas a preços menores, de acordo com a Scot Consultoria. A empresa aponta que, nesta última sexta, dia 17, em São Paulo, a referência para o boi gordo fechou em R$ 90,00 por arroba à vista e R$ 91,50 a prazo. Nesta data, poucas indústrias permaneceram fora dos negócios.

 
No Triângulo Mineiro, houve alta de R$ 1,00 por arroba, em reflexo das escalas de abate, que não evoluíram nos últimos dias. A referência nesta praça está em R$ 86,00 por arroba à vista. Em Campo Grande (MS), a arroba teve alta de 1,2% na comparação com os preços de sete dias atrás e está cotada em R$ 86,00 por arroba à vista.
 
Em Pelotas no Rio Grande do Sul, apesar da disponibilidade de animais terminados seguir boa, a pressão de baixa das grandes indústrias tem travado os negócios. No mercado atacadista de carne com osso, as cotações seguem estáveis. As vendas durante esta última semana mantiveram ritmo lento.
 
Aumento no volume exportado em Goiás
 
As exportações de carne bovina de Goiás em julho deste ano somaram 18 mil toneladas equivalente carcaça, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). O volume é 14,8% maior que o embarcado em junho (15,7 mil toneladas equivalente carcaça) e 44,3% mais alto em relação ao mesmo período de 2011 (12,5 mil toneladas equivalente carcaça).
 
No acumulado de 2012, entre janeiro e julho, o volume exportado somou 112,6 mil toneladas equivalente carcaça. São 42,8% mais que nos sete primeiros meses do ano anterior. O faturamento até julho deste ano ficou em US$ 422,5 milhões, com 35,2% de aumento em relação ao mesmo período de 2011. O preço pago por tonelada (US$ 3,6 mil) caiu 11,2% em relação a julho de 2011.
 
Fonte: Rural BR