Skip to main content

 
As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) renderam US$ 490,8 milhões em maio, crescimento de 8,2% ante os US$ 453,5 milhões registrados no mesmo mês do ano passado, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic) compilados pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo).
 
Em volume, as exportações do produto somaram 126,3 mil toneladas, um incremento de 14,5%. No acumulado de 2016 até maio, a receita obtida pelos frigoríficos brasileiros com as exportações de carne bovina atingiram US$ 2,23 bilhões, montante 0,9% maior do que os US$ 2,21 bilhões reportados nos primeiros cinco meses de 2015, conforme a Abrafrigo. Na mesma base de comparação, o volume exportado cresceu 12,3%, para 588,3 mil toneladas. 
 
Conforme a Abrafrigo, China, Arábia Saudita e Egito foram os maiores responsáveis pelo crescimento das exportações brasileiras de carne bovina. Em nota, a entidade destacou a retomada das compras dos sauditas, que reabriram o mercado para a carne bovina brasileira no fim de 2015, após um embargo de quase três anos. 
 
Além disso, a Abrafrigo também destacou as exportações combinadas para China e Hong Kong. Somadas, a China continental e a cidade-Estado chinesa já respondem por 35% da carne bovina exportada pelo Brasil. "As importações chinesas mais do que compensam as quedas nas vendas para clientes tradicionais do Brasil como a Rússia e a Venezuela", disse o presidente-executivo da Abrafrigo, Péricles Salazar.  
 
Entre janeiro e maio, Hong Kong foi o principal destino das exportações brasileiras de carne bovina, com 134 mil toneladas. Em seguida, veio a China, com 71,5 mil toneladas. Terceiro maior destino, o Egito importou 92,5 mil toneladas no acumulado de 2016. 
 
Fonte Jornal O Valor