A decisão da Tyson Foods de gastar centenas de milhões de dólares na construção de granjas modernas na China foi acertada, tendo em vista os recentes escândalos de segurança alimentar no país, disse o executivo-chefe da companhia, Donnie Smith. Os casos "que continuamos vendo reforçam que nosso modelo de negócios na Ásia está correto", disse.
 
Em julho, autoridades chinesas acusaram a fornecedora de alimentos Shanghai Husi Food, controlada pelo grupo OSI, dos EUA, de vender intencionalmente carne vencida para restaurantes, e uma investigação está em andamento. Antes disso, um surto de gripe aviária tinha afetado os negócios da Tyson no país.
 
Sobre a aquisição da Hillshire Brands, considerada cara por analistas, Donnie Smith disse que a Tyson gastaria muito mais do que os US$ 7,7 bilhões investidos se optasse por desenvolver suas próprias marcas. "Quando fizemos as contas, o cálculo mostrou custos de US$ 2,5 bilhões em um período de cinco anos para que a companhia alcançasse entre a terceira e a quinta posição no mercado", afirmou.
 
A compra da Hillshire coloca a Tyson na liderança de vendas de linguiças e salsichas, além de outros alimentos prontos para café da manhã, disse. Mais cedo, a companhia reiterou a meta de fechar o ano fiscal de 2014 com lucro por ação de pelo menos US$ 2,78, excluindo custos e lucros associados à fusão com a Hillshire. A Tyson espera, ainda, que o resultado fiscal de 2015 apresente crescimento de pelo menos 10% no lucro por ação. O ano fiscal 2014 da Tyson se encerra em 27 de setembro.
 
Fonte:  Globo Rural