A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa as agroindústrias da avicultura e da suinoculturado Brasil, divulgou nota em que comenta o relatório da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, braço da Organização Mundial de Saúde (OMS), que incluiu hoje o consumo excessivo de carne processada como um fator de risco para o desenvolvimento da doença.
 
Segundo a ABPA, o próprio coordenador do estudo, Kurt Straif, diz que “o risco de desenvolver câncer frente à ingestão de cárneos processados é pequeno, ocorrendo apenas diante de um consumo descontrolado, em desequilíbrio com uma dieta saudável”. “O consumo excessivo de quaisquer nutrientes poderá ser nocivo à saúde”, afirma a entidade que representa os produtores brasileiros de aves e suínos.
 
A ABPA lembrou que diversos fatores influenciam a ocorrência de câncer e que, “neste sentido, não é possível apontar um único elemento como causador do problema”. A associação afirmou ainda que os produtos processados feitos no país “são seguros e seguem as mais rígidas normas internacionais de segurança alimentar”.
 
Fonte: Valor Econômico