Em visita oficial a Portugal e Espanha desde o começo da semana, o ministro da pesca e da aquicultura, Marcelo Crivella, garantiu que, depois de se transformar em líder na produção de carne de frango e boi, o Brasil está priorizando a produção de pescado. Prova disso são os recentes avanços na distribuição de áreas de cultivo em lagos, reservatórios e mar, as melhorias no licenciamento ambiental e o incremento da oferta de crédito por meio do Plano Safra da Pesca e da Aquicultura.
 
"No gado somos os maiores do mundo, mas agora queremos dar prioridade ao peixe. O governo reduziu os impostos, criou de maneira enérgica o Plano Safra da Pesca e Aquicultura para financiar o sector, e também descomplicou o licenciamento ambiental, coisa que na Europa é muito difícil", destacou o ministro durante entrevista coletiva em Porto, Portugal.
 
Crivella reafirmou que o Brasil tem condições e pretende chegar a produzir 20 milhões de toneladas de pescados por ano, com a ajuda da aquicultura. Ele espera contar com apoio de tecnologias e parceiros internacionais, os quais buscou identificar na Europa. "Queremos encontrar parceiros que tenham tecnologia e que possam nos ajudar a chegar aos 20 milhões de toneladas de produção de pescado por ano, que é o potencial do Brasil. Portugal e a Europa, pela pequena quantidade que têm de água, acabam por fazer produções intensivas com tecnologias que facilitam a produção", argumentou.
 
De acordo com o ministro, a simplificação do licenciamento ambiental para pequenos cultivos, conquistada em setembro passado, é um marco para o Brasil. “A Europa tem pouca água e o licenciamento ambiental fica muito difícil. O Brasil tem muita água e pode utilizar uma pequena quantidade para produzir muito peixe, sem descuidar a biodiversidade e essa é a grande vantagem do Brasil, que dispões de clima e ótimas espécies", complementou.
 
Fonte: Ministério da Pesca