Na última reunião deste ano, representantes da CNI e de entidades empresariais como a ABRA – Associação Brasileira de Reciclagem Animal, debateram o cenário do próximo ano para a aprovação de reformas, como a da Previdência, e outras propostas da agenda de competitividade

A legislatura que se inicia em fevereiro de 2019 terá uma agenda desafiadora de temas que estão na ordem do dia e têm potencial impacto sobre a retomada do crescimento do país. Além das reformas da Previdência Social e do sistema tributário, há propostas que aperfeiçoam marcos legais e reduzem a burocracia para empresas e população. As principais propostas, oportunidades e entrave ao avanço das propostas foram discutidas na reunião desta terça-feira (4) do Conselho de Assuntos Legislativos (CAL) da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Para colher um cenário de como serão os trabalhos do Congresso Nacional, até 2022, o CAL recebeu três deputados eleitos para a próxima legislatura e que ocuparão cadeias na Casa pela primeira vez. O encontro serviu para analisar as possíveis pautas e para debater aspectos técnicos e políticos de projetos como as reformas estruturais, da atualização da Lei de Licitações e de outros marcos regulatórios. “É nossa obrigação estar no Congresso Nacional e contribuir para a elaboração de leis melhores”, disse o presidente do Conselho, Paulo Afonso Ferreira.

Os temas analisados em maior detalhe foram as reformas tributária e da Previdência, ambas consideradas urgentes e essenciais para restabelecer a ordem nas contas públicas e remover entraves ao crescimento da economia. Os deputados eleitos João Roma (PRB-BA), Pedro Lupion (DEM-PR) e Glaustin da Fokus (PSC-GO) reforçaram a importância de se avançar nos temas e elencaram desafios a serem superados na discussão das propostas que, por serem polêmicas, são alvo de campanhas de desinformação.

SETOR PRODUTIVO – Os futuros deputados federais reforçaram a importância de aprovação de propostas que reduzam a burocracia e fomentem o empreendedorismo no Brasil. João Roma, da Bahia, rebateu críticas feitas a parlamentares que defendem projetos que contribuem para o avanço do setor produtivo.

leito pelo Paraná, Pedro Lupion avalia que o momento é propício para o avanço de projetos que contribuam para a melhora do ambiente de negócios e para o reequilíbrio das contas públicas. “Esta é uma agenda legislativa que traz desafios muito grandes. Precisamos defender que gera emprego e oportunidades, resolvendo os problemas da economia, dando mais possibilidade de desenvolvimento da indústria e para a geração de empregos à população”, disse.

Para o deputado eleito Glaustin da Fokus, de Goiás, a renovação do Congresso nas eleições de 2018 significa oportunidade e responsabilidade de discutir os temas que solucionem velhos problemas para o crescimento. “A renovação vai trazer pessoas que estão comprometidas com o Estado. O jeitinho brasileiro está ficando para trás. Se embasarmos as informações, vamos conseguir construir um Brasil melhor e empresas mais fortes”, ponderou.

Fonte: CNI/ABRA