O ministro interino da Agricultura, André Nassar, disse ontem que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) deve realizar leilões para a venda de seus estoques de milho, que somam 1,3 milhão de toneladas. Segundo ele, porém, o volume estocado pelo setor privado garante um abastecimento seguro do grão ao mercado doméstico.
Nassar esteve ontem com dirigentes da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representam a indústria processadora de carne de frango e suína, e demonstrou preocupação, segundo o ministro, com o grande volume de milho exportado atualmente e os possíveis impactos no preço de comercialização.
“O interesse do governo é fazer leilão, achamos que não faz mais sentido manter isso em estoque. Estamos muito perto de acabar com as negociações. Existe uma preocupação dos produtores de proteína animal com o momento atual, mas estamos falando de um estoque de passagem de 10 milhões de toneladas, que é bastante confortável”, afirmou. 
“A despeito do fato de o preço [do milho no mercado interno] ter casado com o preço internacional, não há risco de faltar milho, e tenho certeza que com esse estoque de passagem na mão dos privados e com esse estoque que o governo tem vamos tranquilizar o mercado e aí as coisas vão se tranquilizar com certeza”, concluiu.
Nassar não quis informar a quantidade de milho estimada para venda por meio de leilões da Conab, pois as negociações ainda estão em curso dentro do ministério. Mas o Valor apurou que o Conselho Interministerial de Estoques Públicos (Ciep) havia autorizado em caráter técnico, em sua última reunião no fim de 2015, uma venda de até 500 mil toneladas do estoque do grão mantido atualmente pela Conab.
 
Fonte: Valor Econômico