A elevação dos preços das principais commodities agrícolas, ocasionada pela redução de oferta e de produção, revisou para cima a estimativa do Valor Bruto da Produção (VBP) do setor agropecuário em 2012, que deverá fechar o ano em R$ 357,3 bilhões, crescimento de 8,7% em relação a 2011, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Somente o faturamento bruto da agricultura atingirá R$ 225,3 bilhões, com expansão de 12,3% na comparação com o ano passado, influenciado, entre outros fatores, pelo comportamento da soja, cujo aumento de receita está estimado em 20,8% a mais do que em 2011, alcançando uma cifra de R$ 68,3 bilhões, diante da previsão de uma safra menor no Brasil e nos Estados Unidos.

 
“Apesar dos preços da soja no mercado doméstico não terem apresentado grandes valorizações no mês, estes ainda se encontram em patamares elevados em relação aos registrados no ano anterior, permitindo a expansão no faturamento”, explica o estudo da CNA. O milho deve ter faturamento 39,8% superior ao de 2011, totalizando R$ 34 bilhões, em razão do aumento de 26,4% na produção e de 10,6% nos preços. No entanto, a entidade ressalta que, no caso do cereal, o retorno do quadro de déficit econômico dos países europeus e o avanço da colheita norte-americana podem pressionar os preços do grão para baixo e impactar os ganhos futuros.
 
O VBP da cana-de-açúcar também foi revisado, sendo estimado em R$ 43 bilhões, com incremento de 43,3% na receita da atividade, em razão da queda de 7,7% na produção. A restrição de oferta também deverá favorecer o trigo, que terá, em 2012, faturamentos 20,6% superior a 2011, somando R$ 3 bilhões, principalmente em função da quebra de safra na Rússia. Já o café deverá sofrer uma retração de 14,2% no faturamento em relação ao ano passado, provocada pelo aumento da produção e pelo cenário de incertezas na Europa e nos Estados Unidos, com consequente redução de demanda.
 
Em relação à pecuária, espera-se uma expansão de 3% para o VBP, em 2012, em comparação a 2011, chegando a R$ 132 bilhões. Este pequeno acréscimo se deve, principalmente, ao setor da carne bovina, cujo faturamento deverá ser 6,7% menor do que no ano passado, por causa da queda de 8,9% no preço do produto neste ano, se comparado ao ano passado, e à carne suína, que terá receita 12,7% inferior ao VBP observado no ano passado, reflexo da crise neste setor. Apenas o setor avícola terá crescimento no VBP, de 22%, impulsionado pelo aumento dos preços da carne de frango, embora a remuneração paga ao produtor ainda seja insuficiente para pagar os custos de produção da atividade.
 
PIB – O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio teve queda de 0,13% em julho, segundo levantamento da CNA, feito em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Apesar do resultado, a retração teve um ritmo menor em relação aos outros meses. No acumulado de janeiro a julho, o PIB do agronegócio está negativo em 1,77%. Observando o comportamento do PIB no segmento “dentro da porteira”, a agricultura registra no ano retração de 2,18%, enquanto a pecuária cresceu 2,76% nos primeiros sete meses do ano.
 
Acesse a íntegra dos documentos:
 
– PIB: Produto Interno Bruto – de julho a outubro de 2012: 
http://www.canaldoprodutor.com.br/sites/default/files/sut.PIB_jul12.15out2012.pdf
 
– VBP: Valor Bruto de Produção – de julho a outubro de 2012:
http://www.canaldoprodutor.com.br/sites/default/files/sut.valor-bruto-producao.15out2012.pdf
 
Fonte: Agrolink