Em 2014, as exportações do agronegócio estiveram concentradas em cinco estados brasileiros, que juntos corresponderam a 67,9% do total. São eles São Paulo, Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, que somaram US$ 65,69 bilhões, segundo os dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) na última quinta-feira (15/1).

São Paulo liderou o ranking com receita de US$ 18,18 bilhões, destaque para setor sucroalcooleiro, com a cifra de US$ 6,76 bilhões. O açúcar foi o produto mais exportado, com US$ 5,96 bilhões. Em seguida, o setor de carnes lucrou US$ 2,64 bilhões. Foco na carne bovina, com US$ 2,12 bilhões desse total.

O complexo de soja foi responsável pelo segundo lugar do Mato Grosso no ranking, com a oleaginosa gerando US$ 9,85 bilhões em exportações, sendo US$ 7,21 bilhões da soja em grãos. Em segundo lugar, estão os cereais, farinhas e preparações, com a soma de US$ 2,06 bilhões. Em terceiro, ficaram as carnes, com o montante de US$ 1,60 bilhão em exportações. O Estado, no total, somou US$ 14,60 bilhões com comércio exterior no agronegócio.

A soja também liderou as vendas paranaenses para o exterior, com US$ 5,48 bilhões. Deste valor, US$ 3,33 bilhões foram da soja em grãos, US$ 1,61 bilhão do farelo de soja e US$ 538 mil do óleo de soja. Em segundo, ficaram as carnes, com a soma de US$ 2,75 bilhões, sendo que US$ 2,36 bilhões foi de carne de frango. O Estado teve receita de US$ 12,63 bilhões com exportações em 2014.

No Rio Grande do Sul, que somou US$ 12,19 bilhões com exportações, a soja liderou com o montante de US$ 5,37 bilhões. O destaque do setor foi a soja em grãos, com US$ 3,99 bilhões. As carnes estão em segundo lugar entre os produtos mais exportados pelo Estado, com US$ 2,24 bilhões, sendo que US$ 1,39 bilhão foi de carne de frango.

Já em Minas Gerais, o café teve receita de US$ 4,12 bilhões, seguido pelas carnes, com US$ 975 milhões, sendo US$ 446 milhões atribuídos à carne bovina e US$ 319 milhões à carne de frango. O Estado gerou US$ US$ 8,09 bilhões.
 
Fonte: Globo Rural