A safra chinesa 2015/16 de milho foi reduzida em 3 milhões de toneladas, para 229 milhões de toneladas. A projeção foi divulgada nesta terça (08.09) pelo Centro Nacional de Informações de Grãos e Óleos da China (CNGOIC, na sigla em inglês) – um importante instituto de pesquisa do governo comunista.

O órgão oficial explicou o reajuste em função de uma seca que atingiu partes do Nordeste daquele país. Apesar da quebra, a nova safra do gigante asiático ainda será recorde, com alta de 6,2% em relação ao ano passado.
“A grande oferta doméstica de milho soma-se a um grande estoque e a preços domésticos em queda, e tudo isso irá reduzir importações”, afirmou o CNGOIC em seu relatório. De acordo com o instituto, essa projeção pressiona ainda mais pela necessidade de redução dos estoques chineses.
(Agrolink) (Leonardo Gottems)