A forte valorização da carne de frango em setembro tem reduzido a competitividade deste produto em relação à carne de boi, informou nesta sexta, dia 25, o Cepea. Na parcial de setembro, a diferença entre os preços dessas carnes está próxima da mínima do ano, observada em fevereiro de 2015. O Cepea destaque que, em abril deste ano, a diferença entre os preços dessas carnes era a maior da série histórica, iniciada em 2004 para o frango.
"Esse cenário indica que os elevados patamares da carne bovina nos últimos meses teriam, de fato, redirecionado consumidores para a carne de frango. Além disso, as exportações de aves têm registrado volumes elevados nos últimos meses – em julho, atingiram a máxima mensal de toda a série histórica da Secex – e a produção foi inibida em meses anteriores", informou.
O presidente da Associação Paulista de Avicultura (APA), Érico Pozzer, reforçou nesta semana, em entrevista ao Mercado e Companhia, que nos últimos dois meses, o farelo de soja e o milho registraram alta nos preços em São Paulo: o milho antes comprado por R$ 25,00, hoje não sai por menos R$ 33,00. Já o farelo de soja, antes adquirido por até R$ 950,00, atualmente está saindo por R$ 1350,00, o que representa uma alta superior a 40%.
– Isso impactou em um aumento de 30% no custo da ração para os frangos – explica.
Além dos grãos, o alimento é composto por aminoácidos e vitaminas que são adquiridas em dólar. Portanto, os produtores também sentem o impacto desses micronutrientes. Pozzer afirmou que esse custo pode, tranquilamente, subir para 35% em um período de apenas 60 dias, e que "isso é muito difícil de ser absorvido".
 
Canal Rural