Como já era esperado, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a compra da Seara Brasil e da Zenda, da Marfrig, pela JBS. A aprovação do negócio foi publicada ontem no Diário Oficial da União. A aquisição dos ativos pela JBS, por R$ 5,85 bilhões por meio da assunção de dívidas da Marfrig, foi anunciada em 10 de junho passado. Em comunicado ao mercado, a JBS, maior empresa global de proteína animal, informou que aguardará o prazo legal de 15 dias exigido pela lei para o fechamento da operação, que expira em 27 de setembro. A companhia prevê assumir efetivamente as operações da Seara Brasil a partir de 30 de setembro.
 
Com a aquisição da Seara, a capacidade de produção de aves, suínos, couros e alimentos processados da JBS vai crescer. A operação envolve 32 unidades produtivas de frango, peru, suíno e alimentos processados e 21 centros de distribuição.
 
Em comunicado, a JBS informou que passará a processar globalmente 12 milhões de aves, 70 mil suínos, 100 mil peles de couro e 5 mil toneladas de alimentos processados por dia. Além disso, passará a ter 185 mil colaboradores em todo o mundo.
 
Após aval do Cade, a operação de venda da Seara Brasil e da Zenda para a JBS aguarda o aval do órgão antitruste europeu para ser finalmente concretizada.
 
A aprovação da União Europeia é praticamente uma mera formalidade, segundo fontes da Marfrig. A Seara e a Zenda não têm unidades de produção na Europa, mas as duas companhias exportam para o bloco europeu. Conforme as mesmas fontes, o órgão antitruste europeu definiu o dia 26 de setembro como o prazo máximo para a aprovação da venda de Seara e Zenda.
 
Ontem, as ações da JBS caíram 5% na BM&FBovespa, a R$ 7,60, enquanto que os papéis da Marfrig recuaram 2,07%, a R$ 6,61.
 
Fonte: Valor