Skip to main content

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) aguarda resposta do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) sobre proposta para que o Brasil possa ser habilitado a exportar carne bovina de alta qualidade à União Europeia, dentro da cota 481, disse o diretor executivo da Abiec, Fernando Sampaio.
“É uma oportunidade que existe e que o Brasil não está aproveitando”, disse Sampaio. “Essa cota tem uma vantagem tarifária que confere valor agregado ao produto… Poderíamos vender a carne por um preço melhor.” 
A cota 481 é isenta de taxa de importação e inclui carnes mais caras. Os cortes de carne bovina devem ser obtidos de carcaças de novilhos de menos de 30 meses de idade, alimentados com uma dieta de grãos pelo menos durante os últimos cem dias anteriores ao abate.
O Brasil já faz parte da cota Hilton, que permite a exportação de cortes de carne bovina de boi alimentado a pasto. O país tem participação de 10 mil toneladas dentro dessa cota para a União Europeia, que sofre taxação de 20%. 
O governo brasileiro já havia feito uma proposta à União Europeia para entrar na cota 481 em 2009, segundo Sampaio, que não foi aceita. Depois disso, Sampaio disse que o governo repassou a tarefa de elaborar a proposta ao setor privado.
Na nova proposta, discutida entre Abiec, Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) e Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), estão descritas todas as garantias de que a carne brasileira consegue atender aos requisitos exigidos na cota 481. Sampaio menciona realização de vistorias de confinamento, certificação dos animais, classificação de carcaça, entre outros.
Segundo ele, a Assocon estima que o Brasil teria cerca de 1 milhão de animais por ano que poderiam cumprir os requisitos da cota 481.
O total de carnes que a União Europeia pode importar dentro da cota 481 é de 48,2 mil toneladas. Argentina, Uruguai e Estados Unidos estão entre os países já aprovados para exportar dentro dessa cota.
A proposta da Abiec tem de ser agora validada pelo Mapa antes de ser apresentada oficialmente à União Europeia.
 
Fonte: Carnetec