Nesta quinta-feira, 12 de abril, entra oficialmente em operação a indústria avícola BR Frango, em Santo Inácio, noroeste do Paraná. Resultado de um investimento inicial de R$ 120 milhões e previsão de aporte de mais R$ 35 milhões para uma segunda linha de produção, a planta irá abater 420.000 aves/dia, ou 10 milhões de aves/mês, até 2014 ao operar com capacidade máxima. Atualmente, o Paraná é responsável por 27% da produção brasileira de aves, com uma média mensal de 115 milhões de cabeças, segundo dados do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar).

O presidente da BR Frango, Reinaldo Morais, destaca que foco da indústria é o mercado internacional, sobretudo Oriente Médio, União Europeia e Ásia. A expectativa é que em 90 dias comecem as exportações. Além do abatedouro, o complexo industrial é composto por uma fábrica de farinha e outra de ração. Morais já acumula experiência no setor. O empresário era sócio da Frangobras, em Campo Mourão, que foi vendida para a multinacional norte-americana Tyson Foods em 2008. O projeto da BR Frango foi iniciado em 2007, antes da negociação.

Próximos investimentos

A BR Frango é a pedra fundamental do projeto de criação de um grupo nacional de produção de proteína animal. Na solenidade de inauguração, a empresa anunciou um plano de investimento de R$ 800 milhões até 2017, que além da BR Frango abrange outras quatro unidades na área. Além dos recursos gerados pelos empreendimentos e o aporte de capital dos sócios, os recursos serão obtidos por meio de agências de fomento com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), além de financiamentos com bancos.

"Queremos ser o terceiro maior grupo de produção de proteína animal do Brasil. Estamos dispostos a ocupar esse espaço. Nossa previsão de faturamento é de R$ 1 bilhão para 2014 e R$ 3,5 bilhões para 2017", afirma Morais.

O próximo empreendimento a entrar em operação é um projeto de 2009, a Frango Natura, em Campo Novo de Parecis, no Mato Grosso. A indústria começa a ser construída este ano e tem previsão de funcionamento para 2014. O investimento será de R$ 150 milhões. A planta terá cerca de 30 mil m² e capacidade para abater 420 mil aves/dia. O abatedouro matogrossense irá produzir carne de frango e alimentos processados que terão como destino o mercado interno, especialmente a região Norte, e países vizinhos como Bolívia e Venezuela.

Existem ainda outros três projetos de abatedouros em andamento com parceiros locais: um de aves no Nordeste com previsão de operação para 2017 e capacidade de abate de 420 mil aves/dia; um de suínos no Centro-Oeste com capacidade de 4 mil suínos/dia; e um de peixes, no Norte.

Tecnologia

Uma das preocupações dos idealizadores da BR Frango foi o investimento em tecnologia. A planta do complexo industrial segue o conceito de expansão inteligente e foi projetada para antecipar as normas técnicas nacionais e internacionais. A indústria é toda automatizada e tem versatilidade no mix de produção. Para manter o alto padrão a BR Frango fez parcerias com grandes fornecedores e adquiriu, em alguns casos, equipamentos desenvolvidos sob encomenda para gerar maior produtividade e se tornar expoente no mercado. A tecnologia chega também aos aviários, onde foi adotado o sistema Dark House, com ambiente e iluminação controlados para garantir maior desempenho e bem estar das aves.

Geração de emprego

A chegada da BR Frango promete impulsionar a economia de 25 municípios da região noroeste do Paraná e oeste de São Paulo, com a criação de mais de 2,5 mil postos de trabalhos diretos e a expectativa de outros 10 mil indiretos. Já a Frango Natura deve promover a criação de mil empregos diretos e 4 mil indiretos no Mato Grosso.

Mercado

Entre 2007 e 2011, as exportações brasileiras de carne de frango cresceram 75,4% em faturamento e 22,4% em volume, fechando 2011, respectivamente em US$ 8,1 bilhões e 3,9 milhões de toneladas, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), vinculada ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). No ano passado, o abate de frangos chegou a 5,3 bilhões de animais, um aumento de 5,6% em relação a 2010 e de 23,2% com relação a 2007. Os números são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).