Skip to main content

Apesar de toda a diferença, há o que aproxime o peixe e o frango. Foi o que descobriu o empresário Pedro Furlan Uchoa Cavalcanti, bisneto de Attilio Fontana, fundador da Sadia. A vida toda, graças aos negócios da família, ele esteve envolvido com o agronegócio e com a criação de frangos. Antes da fusão com a Perdigão, que formou em 2009 a BRF, foi por três anos executivo da controladoria, do marketing e de vendas da Sadia.

 
A experiência com os peixes veio em 2006, quando deixou o emprego na Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e comprou 100 hectares de terra em Sorriso (MT). Construiu tanques para criar tilápias, pintados, tambaquis e outros pescados. Decidi replicar no pescado o modelo que a Sadia usava para o frango, disse Cavalcanti, presidente da Nativ Pescados, uma das maiores empresas de criação de peixes de água doce em tanques artificiais do país. Em Sorriso, a Nativ, que foi fundada em 2006, tem 300 funcionários (dos quais 70% são ex-Sadia) e 90 hectares de lâmina d água, a medida que expressa o tamanho dos tanques de criação de peixe. Ainda somos pequenos, mas queremos ser a BRF dos pescados, diz o empresário.
 
Os planos são ambiciosos: com faturamento de R$30 milhões em 2011, a empresa quer chegar a R$43 milhões este ano, a R$100 milhões em 2013 e, até 2018, multiplicar por 12 atual receita e movimentar R$550 milhões, aliando a estratégia de copiar a gestão da Sadia com um empurrãozinho financeiro de um fundo internacional. Até novembro deveremos anunciar esse novo parceiro, disse Cavalcanti.
 
O fato de ser uma companhia que cria seus próprios peixes – ao contrário de suas maiores concorrentes, como Gomes da Costa e Leardini, que concentram suas atividades na pesca extrativista marinha – é o maior trunfo da Nativ. É esse modelo que permite à companhia se inspirar na Sadia. Pode-se dizer que, do abate para a frente, tanto o negócio do peixe quanto o do frango são muito parecidos.
 
Seguindo o modelo dos hambúrgueres, nuggets e empanados Sadia, a Nativ também processa seus pescados, em Sorriso, transformando-os em alimentos semipreparados. Boa parte precisa apenas ser aquecida para ser servida. Essa característica é um grande pulo do gato para a Nativ em relação à maior parte da concorrência, que apenas vende o peixe limpo e congelado.
 
Fonte: Agencia Estado.