A produção do biodiesel agregou de 2008 a 2011 mais de R$12 bilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) do País, e gerou 86.112 empregos, incluindo a agricultura familiar. Os dados são de estudo recentemente concluído pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), da Universidade de São Paulo (USP) para a Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio). Segundo o levantamento, nos mesmos quatro anos o biodiesel fez a balança comercial brasileira economizar R$11,5 bilhões em importação de diesel mineral.
 
Na projeção da FIPE, se a atual mistura de 5% de biodiesel no diesel subir para 7%, a geração de empregos será de 132.642 postos de trabalho, com R$ 13,4 bilhões somados ao PIB. Com 10% de biodiesel adicionado ao derivado de petróleo, serão gerados até 204,6 mil empregos e agregados R$ 20,7 bilhões ao PIB. E com 20%, os empregos criados serão de quase 460 mil, com R$ 47,3 bilhões a mais no PIB.
 
As informações foram apresentadas pelo presidente da Aprobio, Erasmo Battistela, em palestra para associados no dia 24, em Porto Alegre (RS). Na ocasião, Battistela também citou estudo da Fundação Getúlio Vargas, de 2010, abordando os benefícios ambientais do biocombustível. O biodiesel emite 57% a menos de gases poluentes que o diesel fóssil, o que resulta em melhoria da saúde humana.
 
A indústria está investindo para atender às novas especificações técnicas para o biodiesel, definidos pela Agência Nacional do Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis.
 
Fonte: Valor Econômico