O ex-vice-presidente dos Estados Unidos e vencedor do Prêmio Nobel da Paz Al Gore disse nesta quarta-feira (26) que os biocombustíveis renováveis produzidos pelo Brasil são um instrumento importante para combater o aumento de emissões de gás carbônico que estão provocando as mudanças climáticas nos últimos anos. Ele disse que a emissão de gases que provocam o efeito estufa atinge o volume de 9 milhões de toneladas por dia, um volume 400 mil vezes superior aos gases gerados pela explosão da bomba atômica no Japão.
 
Gore disse que nas últimas duas décadas estes efeitos estão mais expressivos. "As dez maiores temperaturas registradas no mundo desde o final do século XIX, quando estas medições começaram a ser feitas, ocorreram nos últimos dez anos", disse ele, destacando os anos de 2010, 2005, 2009, 2007 e 1998. Gore ressaltou as fortes secas registradas no Sudeste Asiático e Oriente Médio em 2010 e 2011, que provocaram recordes de temperatura nas regiões, com 53,6 graus Celsius no Kuwait e 53 graus verificados tanto no Irã como no Iraque e também China.
 
Em relação aos Estados Unidos, Gore disse que entre 1950 e 1999 a relação entre a ocorrência de um recorde de temperatura elevada para um recorde de temperatura baixa era de 1 para 1. De 2009 para 2011, esta relação mudou de 2 para temperaturas elevadas contra 1 para baixas. "Se considerarmos apenas o primeiro semestre de 2012, esta relação chega a 10 para temperatura elevada contra 1 de baixas", disse. O prêmio Nobel lembrou que as altas temperaturas elevam a evaporação dos rios e mares criando massas de ar, elevando a ocorrência de tempestades. "Nos últimos trinta anos, a percentagem de ocorrência de eventos climáticos dramáticos subiu de 0,1% para 10%, um aumento de 100%", afirmou.
 
"Não podemos usar a atmosfera como um esgoto aberto para eliminar gás carbônico", ressaltou para uma seleta plateia de produtores e executivos de companhias de alimentos e energia no último dia do Global Agribusiness Forum. Segundo ele, apesar dos dados serem óbvios, existe um contra-ataque da indústria do petróleo que vem financiando pesquisas com dados questionáveis para tentar confundir a sociedade. Gore afirma que esta prática é uma forma de defender o patrimônio em petróleo de mais de US$ 7 trilhões que esta indústria possui em seus reservatórios e tem criado uma "indústria de negação".
 
Segundo ele, a manutenção dos preços estáveis da gasolina pelo governo brasileiro não é o único problema que a indústria do etanol está lidando no Brasil. Gore explica que as secas que atingiram as regiões produtoras de cana são consequência das mudanças climáticas que estão ocorrendo no mundo. "Toda agricultura está sendo afetada, o que pode ser visto na volatilidade de preços. Nos últimos 5 anos, o mundo já registrou três movimentos expressivos de alta nas cotações. Mais deverão ocorrer se nada for feito nos próximos anos", afirma.
 
O ex-vice-presidente dos Estados Unidos afirmou que Brasil e Estados Unidos possuem um papel importante na produção de alimentos para o mundo. "Enquanto o Brasil e os Estados Unidos possuem superávit na produção de alimentos, a maior parte do mundo é deficitária", disse. Para ele, este fato aumenta a importância dos dois países para combater as emissões de gases. O executivo elogiou o uso de energia eólica no Brasil e disse que em breve a energia solar estará mais competitiva para o uso em larga escala. "Os preços dos componentes dos painéis solares estão caindo e isso vai favorecer a sua expansão", disse. Al Gore disse que a energia utilizada em suas fazendas de gado vem de painéis solares.
 
Fonte: Globo Rural