Reunidos hoje (30) na sede da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), representantes de todo o setor avícola informaram que os aumentos de preços do milho e da soja nos últimos meses já estão afetando a produção. A entidade estima para o segundo semestre um cenário de redução ainda maior da produção, acompanhado de desemprego, aumento dos preços da carne de frango e de redução das exportações.

   
"Os aumentos globais de custos com esses insumos estão causando um efeito devastador para o setor. As indústrias precisam de garantias de estoques de grãos, como o farelo de soja, até o fim do ano. Para isto é necessária uma pronta ação do governo através dos leilões e Programas de Escoamento de Produção (PEPs) para os polos avícolas mais afetados. A avicultura também precisa de maior acesso ao crédito. É injusto que os bancos não liberem mais recursos para um setor tão importante da economia nacional", destacou o presidente executivo da Ubabef, Francisco Turra.
   
Segundo Turra foi informado na reunião de hoje – que reuniu das principais cooperativas às maiores agroindústrias do setor – já ocorrem medidas defensivas como o fechamento de unidades, corte de turnos ou a redução de horários de trabalho. "Os aumentos de custos com grãos já chegam a 70% este ano. Os produtores avícolas não têm como arcar com esses aumentos. Da mesma forma, não podem manter estoques, diante da falta de crédito. Inevitavelmente, os aumentos de custos serão repassados aos consumidores, tanto no Brasil, quanto lá fora", destacou.
 
Fonte: Ubabef / Avicultura Industrial