Skip to main content

 
   BRASÍLIA – Sem melhora dos dados macroeconômicos, a arrecadação total de tributos foi de R$ 129,385 bilhões em janeiro, queda real de 6,71% ante o mesmo mês de 2015. Esse é o pior em janeiro desde 2011, quando a arrecadação foi de R$ 128,597 bilhões. Nominalmente, houve elevação de 3,28%. 
   Segundo números divulgados há pouco pela Receita Federal, as receitas administradas, que representam o grosso da arrecadação, mostraram baixa real de 5,38%, para R$ 126,143 bilhões em janeiro, na comparação igual período de 2015. A elevação nominal ficou em 4,75%. Já a receita com outros órgãos somou R$ 3,242 bilhões, queda real de 39,75% no comparativo anual. Em termos nominais, a queda foi de 33,3%.
Desonerações 
  O governo deixou de arrecadar R$ 7,093 bilhões em janeiro devido às desonerações promovidas para estimular o crescimento econômico. Um ano antes, esse montante havia sido de R$ 10,040 bilhões. Do total deixado de arrecadar em janeiro, R$ 1,211 bilhão se refere à desoneração da folha de pagamento para vários setores da economia. Em janeiro do ano passado, a desoneração da folha custou R$ 2,012 bilhões. 
   Outro destaque para redução é que em janeiro de 2015 o governo abriu mão de R$ 1,088 bilhão com a desoneração da Cide-combustível. Neste ano, com o fim desse benefício, não houve perda de arrecadação por conta disso.
Fonte Jornal O Valor