A Argentina vai suspender nos próximos dias as barreiras comerciais à carne suína produzida no Brasil, afirmou o secretário de Comércio Interior do país vizinho, Guillermo Moreno. Após longa reunião entre autoridades do governo Cristina Kirchner e ministros do governo Dilma Rousseff no Ministério das Relações Exteriores, nesta terça-feira (15/5), Moreno, responsável pela decisão de barrar a carne suína exportada pelo Brasil ao seu país, afirmou que "este problema sumiu, não existe mais". Os argentinos esperam que, com isso, o Brasil ofereça em troca a suspensão das licenças não automáticas concedidas a produtos como uva-passa, remédios, cítricos e camarões, cuja exportação tem grande peso na economia argentina.

As barreiras à carne suína exportada pelos produtores brasileiros foram motivadas pelo desejo do governo Kirchner de reduzir o déficit comercial que a Argentina tem com o Brasil. A medida surtiu efeito imediato. No ano passado, os produtores brasileiros exportaram US$115,2 milhões em carnes suínas aos argentinos, média de US$28,8 milhões a cada três meses. Já nos três primeiros meses deste ano, essas exportações despencaram – apenas US$16 milhões. O superávit comercial brasileiro com a Argentina também caiu dos US$5,8 bilhões em 2011 para apenas US$968 milhões no primeiro trimestre deste ano.

O Valor apurou que as licenças não automáticas (mecanismo de comércio exterior que concede ao país licença para avaliar com maior rigor a entrada de determinado produto) implementadas no mês passado a produtos como cítricos, uvas-passas e camarões podem ser revistas, em resposta à decisão argentina.

Fonte: Valor Econômico. Por João Villaverde. 15 de maio de 2012./Scot Consultoria